Neste mês de julho, a Tinta-da-China vai editar o mais recente livro do catalão Jaume Cabré, Quando a Penumbra Vem. Originalmente publicado em 2017, o volume reúne 13 histórias que têm a morte como denominador comum e que convocam “uma espécie de estética do mal, conduzida por protagonistas infames e sem redenção, que vivem presos no passado, devido à culpa, à vergonha ou ao remorso”, referiu a editora. Contadas com humor negro e truques narrativos cinematográficos e policiais, as histórias de Quando a Penumbra Vem confrontam o leitor com “a maior sombra de todas: a consciência”. O livro vai chegar às livrarias nesta semana, no dia 5 de julho.

Mais para meio do mês, a 19 de julho, a Tinta-da-China vai lançar novas edições de bolso de Os Meus Sentimentos e Tudo São Histórias de Amor, da escritora Dulce Maria Cardoso. A Caminho vai publicar Fogo na Noite Escura, de Fernando Namora, autor que celebra este ano o seu 100º aniversário. Já a Gradiva vai fazer chegar às livrarias As Pálidas Colinas de Nagasáqui, o romance de estreia de Kazuo Ishiguro, enquanto a E-Primatura vai publicar, com atraso, o segundo volume da Ficção Curta Completa, de H.G. Wells.

Pela Dom Quixote, vão sair três livros neste mês: Istambul, Istambul, de Burhan Sönmez, A Porta Oculta, de Jørn Lier Horst, e A Casa da Rússia, de John le Carré, numa edição comemorativa dos 30 anos da sua publicação. A Porto Editora vai lançar Lá, onde o vento chora, de Delia Owens. A escritora de 70 anos demorou perto de dez anos a concluir a narrativa que se tornou num sucesso editorial nos Estados Unidos da América, com mais de 2,5 milhões de exemplares vendidos. “O resultado é uma narrativa dolorosamente bonita, plena de solidão, uma história de crescimento e um louvor à poesia silente da natureza”, resumiu a editora.

A Saída de Emergência vai publicar A Oeste Nada de Novo, o grande romance de Enrich Maria Remarque sobre os horrores da Primeira Guerra Mundial. A Cavalo de Ferro vai lançar Histórias de Cronópios e de Famas, de Julio Cortázar, numa nova tradução de Isabel Pettermann, e a Livros do Brasil A Fera tem de morrer, de Nicholas Blake (coleção Vampiro). Pela Quetzal, vai sair Autobiografia, o novo romance de José Luís Peixoto, e pela Companhia das Letras Sol na Cabeça, do brasileiro Geovani Martins, já apontado como a grande revelação da literatura brasileira dos últimos anos.

Para este mês, a Relógio d’Água guardou a publicação dos seguintes livros: A Balada do Medo, de Norberto Morais, Histórias Falsas, de Gonçalo M. Tavares, A Invenção Ocasional, de Elena Ferrante, A Mesa dos Gatos-Pingados, de Michael Ondaatje, Agnes Grey, de Anne Brontë, e Pequenas Misérias da Vida Conjugal, de Honoré de Balzac. A Presença vai lançar As Mulheres do Coro de Chilbury, de Jennifer Ryan, um romance histórico que se passa durante a Segunda Guerra Mundial, e a ASA vai editar Sabotagem, de Arturo Pérez-Reverte. Pela açoriana Companhia das Ilhas, vai sair O Nome do Mundo 1969−2019, de José Amaro Dionísio.

Em julho, a Temas e Debates vai publicar Amélia de Orleães, a biografia da última rainha de Portugal escrita por Margarida Durães. D. Amélia nasceu 1865, no Reino Unido, e morreu em 1951, em França. “A sua vida foi uma luta contínua, espelhando um dos períodos mais críticos da história de Por­tugal e da Europa”, referiu a editora. As Edições 70 vão lançar Pequeno Manual de Candidatura Política, de Cícero, Escritos sobre o Terramoto de Lisboa, de Immanuel Kant, O Homem Falível, de Paul Ricoeur, e Sem Fins Lucrativos. Porque precisa a Democracia das humanidades, de Martha C. Nussbaum.

A Objetiva vai editar Humanos. Uma breve história dos erros mais catastróficos da humanidade, de Tom Phillips, editor da Full Fact, a organização de verificação de factos mais importante do Reino Unido. Pela Antígona, vai sair Um Sétimo Homem, de John Berger, um retrato da experiência de trabalhadores migrantes na Europa dos anos 70, e a Dom Quixote vai lançar O Mundo Secreto II, o segundo volume da história da espionagem de Christopher Andrew.

A Educação do Delfim. Cartas de Calouste Gulbenkian a seu neto, selecionadas pelo bisneto do empresário, Martin Essayan, e o diretor da Biblioteca de Arte e dos Arquivos da Fundação Calouste Gulbenkian, João Vieira, vai ser editado a 12 de julho pela Tinta-da-China. A edição é trilingue, em inglês, francês e com a respetiva tradução para português.

A Vogais vai lançar Mulheres Espias em Tempo de Guerra, de Ann Kramer, e Os Grandes Desastres: Como os Desastres Naturais nos Moldaram e o Que Podemos Fazer Para os Prevenir, de Lucy Jones. A Presença vai publicar Vento do Norte. A vida do Infante D. Henrique, o navegador, escrita por Ernle Bradford, reconhecido historiador britânico especializado em história naval e do mundo mediterrânico. Pela Relógio d’Água, vai sair a antologia Provocações, de Camille Paglia.

A Desassossego vai publicar A Era dos Muros. Como as Barreiras Entre Nações Estão a Mudar o Nosso Mundo, de Tim Marshall, A Ciência do Pecado. Porque escolhemos fazer o que não devemos, do neurologista Jack Lewis, e Inferior, um livro que procura desconstruir mitos e preconceitos sobre a mulher que foram instituídos e tomados como regra em parte com base em estudos científicos entretanto reavaliados (da jornalista Angela Saini). A Gradiva vai lançar Acordo Ortográfico. Um Beco com Saída, do jornalista português Nuno Pacheco, Inquisição e Cristãos-Novos, de António José Saraiva, e a A Religião dos Fracos. O Que o Jihadismo Diz de Nós, de Jean Birnbaum.

A Esfera dos Livros vai editar A Queda do Muro de Berlim, do professor espanhol Ricardo Martín de la Guardia, e a Contraponto Grandes Mistérios da História de Portugal, um livro de episódios controversos, lendas e histórias reais menos conhecidas da historiadora Fátima Mariano.

Alice Vieira comemora, em 2019, 40 anos de vida literária. Para assinalar a data, a Caminho vai lançar uma edição comemorativa de Rosa, Minha Irmã Rosa, com ilustrações de Patrícia Furtado. Em julho, a editora vai ainda fazer chegar às livrarias O Livro é Meu, de Travis Foster e Ethan Long. Já a ASA vai editar Refugiados, de Alan Gratz, e a Oficina do Livro As bruxas, de Roald Dahl e Quentin Blake.

Depois de A Odisseia de Homero adaptada para jovens por Frederico Lourenço, vai chegar este mês às livrarias A Ilíada de Homero adaptada para jovens. A edição é também da Quetzal. A Gradiva vai começar a publicar, neste mês de julho, uma nova coleção de banda desenhada sobre mitologia clássica, A Sabedoria dos Deuses, concebida e escrita por Luc Ferry. O primeiro título chama-se Prometeu e a Caixa de Pandora.

Pela Texto, vão sair dois livros da coleção Histórias de Vida, dedicados a Albert Einstein e Anne Frank. A Minotauro vai lançar A Revolta dos Livros, de Sofia Cochat-Osório e Hélia Aluai. A 17 de julho, vai chegar às livrarias Koiza, o mais recente livro de David Walliams. A Presença vai publicar O Leão Que Temos Cá Dentro, de Rachel Brigh e Jim Field.