Os trabalhadores da Planeta Plásticos SA, em Leiria, estão em greve desde as 00h00 a reclamar aumentos salariais, tendo o protesto tido uma adesão a rondar os 90%, disse à agência Lusa o responsável distrital do SITE, Carlos Marques.

Segundo o responsável do Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Atividades do Ambiente do Centro-Sul e Regiões Autónomas, o turno das 00h00 teve uma adesão à greve de 95% e, dos trabalhadores que entraram às 08h00, só 10% estão ao serviço.

“Queremos um aumento salarial entre 40 a 50 euros. Na sexta-feira, quando apresentámos o pré-aviso de greve, a empresa deu um aumento salarial de 1,5%, que são cerca de dez euros, e 2% no subsídio de alimentação, que se traduz em dois cêntimos, com retroativos”, revelou Carlos Marques.

O responsável distrital adiantou que “quando [os trabalhadores] foram aumentados, há dez anos, ficaram 100 euros acima do salário mínimo e a empresa diz que está acima da lei e não é obrigada a dar mais”.

Isto porque, com o aumento de 1,5%, os trabalhadores passaram a ganhar 609 euros, mais nove do que o salário mínimo nacional (600 euros).

Nas negociações com a entidade patronal, os trabalhadores apresentaram uma proposta de aumento de 100 euros.

“Mas dissemos que aceitávamos, para já, um aumento entre 40 a 50 euros, mas a empresa diz que não vai dar esse valor. No entanto, também nos foi comunicado que se o salário mínimo nacional subisse para os 800 euros, a empresa teria condições para cumprir com esse valor”, afirmou.

Por isso, diz Carlos Marques, “não é um problema de falta de dinheiro”, mas a empresa optou por “dar o mínimo”.

O administrador-delegado da Planeta Plásticos, SA, conhecida também por Dunlop, Paulo Caridade, preferiu não acrescentar mais informação à Lusa, confirmando que a empresa avançou com um aumento de 1,5%.

“A greve é um direito que respeito. Temos falado com o sindicato, que conhece os nossos argumentos”, limitou-se a referir.

Segundo a página do Centro Tecnológico do Calçado de Portugal, a Planeta Plásticos é uma empresa que produz calçado profissional em PVC, que se destina a profissionais da agricultura, pesca, indústria alimentar, construção e minas.

Uma grande parte (75%) da produção desta empresa é calçado de segurança, ocupacional e de lazer para a marca própria Dunlop Protective Footwear, que se destina essencialmente ao mercado europeu. Daí que todo o calçado profissional Dunlop seja testado e certificado com a marcação CE, lê-se na mesma página.