Os números do Governo são claros. No final de 2018 havia 686 mil pessoas a receber subsídio de doença, um aumento de 12,3% em relação a 2017 no número de baixas por doença. Segundo o Jornal de Negócios, que cita o relatório sobre o emprego relativo a 2018, as baixas foram na sua maioria “de curta duração”.

A maior parte (63,9%) dos portugueses esteve de baixa médica até 12 dias, sendo que as baixas entre 0 e 7 dias foram as mais comuns. O ano de 2013 foi o único em que a tendência de crescimento no número total de baixas médicas não se verificou. Nos restantes, é possível verificar o aumento do número de baixas, apesar de, no início da legislatura, o Governo ter prometido o fiscalizar as baixas por doença.

As boas notícias chegam dos acidentes de trabalho, com menos 32,5 mil acidentes. “Assim, no espaço de uma década, o número total de participações de acidentes laborais registou uma quebra de 13,5% (menos 32,5 mil acidentes), tendo-se igualmente verificado uma quebra no número de acidentes mortais (menos 40,3%, o que correspondeu a menos 93 mortes).