“O juiz bebeu um copo de vinho antes de decidir?” — é com esta questão que Matteo Salvini, o vice-Primeiro-Ministro italiano, reagiu à decisão do tribunal que recusou o pedido de manter a capitã do Sea Watch 3 em prisão domiciliária.

Foi através de uma declaração vídeo feita na sua página de Facebook que o governante repudiou  a decisão judicial anunciada esta terça-feira. Nela, este dirigente, que é defensor de uma política anti-imigração, afirmou que vai manter-se fiel àquilo em que acredita e que não desistirá das políticas anti-imigrantes.

A alemã Carola Rackete foi detida no passado fim-de-semana depois de ter atracado, sem autorização, no porto de Lampedusa, desafiando a “política de portos fechados” imposta pelo governo italiano. A bordo do barco que orientava, o Sea Watch 3, seguiam dezenas de migrantes com vários problemas de saúde.

Giudici o politici??? Mah…

Posted by Matteo Salvini on Wednesday, July 3, 2019

O responsável pelo inquérito preliminar salientou ainda que a capitã alemã estava a “cumprir o seu dever de salvar vidas”.

Rackete foi colocada em prisão domiciliária logo depois de ter atracado em solo italiano, sendo acusada de resistência ou violência contra um navio de guerra estrangeiro, assim como tentativa de abalroamento, já que terá desviado a sua embarcação contra uma da polícia militar, a Guardia di Rinanza. Finalmente, outra das acusações foi a de te entrada em águas territoriais sem autorização.

“Talvez estivesse entediada e, portanto, legitimada a borrifar-se para as leis de um país”, contou Salvini no momento de detenção.

Capitã do navio humanitário “Sea Watch 3” foi libertada