Rádio Observador

Vladimir Putin

Putin confirmou que submarino russo incendiado era de propulsão nuclear

O submarino acidentado era um AS-12, de propulsão nuclear. Comunicação de Putin vem confirmar relatos que tinham sido divulgados por meios de comunicação social russos.

O Submarino incendiou-se quando realizava testes militares em águas territoriais do norte da Rússia, matando 14 marinheiros

ALEXANDER ZEMLIANICHENKO / POOL/EPA

O Presidente russo, Vladimir Putin, confirmou esta quinta-feira que o submarino da marinha que se incendiou na segunda-feira, matando 14 militares, era de propulsão nuclear.

O Presidente russo falou pela primeira vez no assunto e confirmou relatos que tinham sido divulgados por meios de comunicação social russos, segundo os quais o submarino era movido a energia nuclear.

Segundo esses relatos, o submarino acidentado era um AS-12, de propulsão nuclear, batizado como Locharik, em homenagem a um personagem de banda desenhada do tempo da União Soviética.

O Ministério da Defesa continua a não identificar a tipologia de submarino, mas Putin esclareceu a forma de propulsão, após ter reunido com o ministro da Defesa, Sergei Shoigu, que acabara de regressar do porto ártico de Severomorsk, uma base da Frota do Norte da marinha russa, onde o submarino acidentado se encontra em reparações.

Um submarino incendiou-se segunda-feira, quando realizava testes militares em águas territoriais do norte da Rússia, matando 14 marinheiros, mas o Ministério da Defesa não deu muitos pormenores sobre o acidente, referindo apenas mais tarde que tinha havido sobreviventes.

No acidente morreram 14 marinheiros, que terão sucumbido aos fumos do incêndio, que os envenenaram, mas o Ministério da Defesa reserva mais informações para o final de um inquérito que já se iniciou.

Nesta quinta-feira, centenas de marinheiros reuniram-se em frente à principal catedral naval da Rússia, numa ilha no golfo da Finlândia, perto de São Petersburgo, para lamentar a morte dos soldados vitimados pelo incêndio no submarino.

Putin falou esta quinta-feira pela primeira vez deste acidente, reavivando a memória de um episódio, em 2000, quando foi muito criticado pela forma ausente como lidou com um acidente envolvendo o submarino Kursk, que se afundou no mar de Barrents, matando 118 tripulantes.

Nos últimos dez anos, três incêndios foram também registados em submarinos russos que se encontravam parados para reparação, com vários especialistas a refreiem problemas de observação de padrões de segurança nos estaleiros.

Outros acidentes fatais ocorreram nas décadas de 1960 e 1970, envolvendo submarinos, principalmente soviéticos, mas também americanos, contando entre eles o que provocou o desaparecimento do USS Thresher, com 129 pessoas a bordo, que se tornou o maior desastre com esta tipologia de embarcações até hoje.

O acidente de segunda-feira ocorreu na zona do Ártico, onde a Rússia continua a reforçar a sua presença civil e militar, ambicionando tornar-se a maior potência na região, aproveitando o degelo provocado pelas alterações climáticas para abrir novas rotas comerciais.

Nos últimos anos, a Rússia instalou várias bases militares no Ártico, depois de quase ter abandonado a zona após o desaparecimento da União Soviética.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)