Rádio Observador

Sociedade

Parquímetros em Faro reativados no final de agosto após meses de diferendo

Dez meses depois de os parquímetros terem sido desativados, o presidente da autarquia de Faro confirmou que a exploração dos parquímetros vai voltar, a cargo da Ambifaro. As opiniões dividem-se.

O presidente da autarquia, afirma que neste período se “perderam certamente mais de 500 mil euros”

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A reativação dos parquímetros em Faro deverá estar concluída no final de agosto, depois de a proposta de entrega da sua exploração à Ambifaro ter sido aprovada em Assembleia Municipal, estimou esta sexta-feira à Lusa o presidente da autarquia.

Rogério Bacalhau adiantou à Lusa que a operação “deve estar concluída nos finais de agosto”, dez meses depois de os parquímetros terem sido desativados, em novembro passado, quando a autarquia optou por não renovar os contratos com os anteriores concessionários para passar a gestão para o universo municipal.

A proposta de passagem da gestão dos parquímetros para a empresa municipal Ambifaro já tinha sido chumbada em Assembleia Municipal, em janeiro, numa votação renhida, mas desta vez, na assembleia desta semana, foi aprovada, o que permitirá à autarquia de maioria PSD/CDS-PP avançar com a operação.

O presidente da autarquia, afirma que neste período se “perderam certamente mais de 500 mil euros”, que serviriam para cobrir os custos da Ambifaro, responsável pela gestão do mercado municipal, com os encargos do empréstimo bancário criado para cobrir um “passivo de 11 milhões de Euros”.

A opção de transferência da gestão dos parquímetros para aquela empresa municipal foi tomada devido à incapacidade da mesma “em gerar receita para fazer ao pagamento da dívida desde a sua criação”, para além da possibilidade de maior “celeridade” nas contrações, por ser uma empresa municipal, justificou.

O diferendo existente entre o PS e a coligação liderada pelo PSD, que está em maioria no executivo, mas não na Assembleia Municipal, inviabilizou, durante estes meses, a aprovação da proposta, mas Rogério Bacalhau acredita que os argumentos que foram sendo apresentados fizeram a diferença.

“A morosidade da operação em colocar os parquímetros a funcionar, a insolvência da empresa e da operacionalidade do funcionamento do mercado, levaram a que alguém percebesse isso e que, de alguma forma, votasse connosco”, referiu.

O desempate na votação – que permitiu aprovar a proposta – foi conseguido com um voto a favor de um presidente de uma junta de freguesia do concelho eleito pelo PS.

Nas ruas da cidade as opiniões dividem-se

Ana Cabeceira é proprietária de uma cafetaria na rua de Santo António – uma das mais movimentadas da cidade – e considera urgente que se altere a realidade, pois os clientes não vão à baixa “por não haver lugar”, chegando a haver carros “que ficam dias no mesmo sítio”.

A sua condição de residente leva-a no entanto, a reivindicar por “preços mais baixos” até porque os clientes se “queixam dos preços em comparação a outras cidades”, além de defender planos especiais para trabalhadores na baixa.

Rogério Oliveira, que gere uma pastelaria situada uns metros mais baixo, afirma não ter notado grande variação no número de clientes, “talvez até um pouco mais por não se pagar”, mas diz que agora que a situação se vai inverter vai ser “possível ver a diferença”.

Numa farmácia das ruas pedonais da baixa da cidade, os parquímetros são assunto que gera alguma discordância. Um dos clientes considera que deveria” haver um lugar reservado para utentes, já que pagar parquímetro é caro”.

As técnicas de farmácia refletem o sentimentos de outros clientes que se queixam tanto da dificuldade em estacionar, como da não existência de parquímetros. “Se com eles [parquímetros] pagam, sem eles não têm lugar para estacionar, têm de refilar sempre!”, concluem.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)