Rádio Observador

Prémios e Galardões

Pintora Paula Rego vai ser distinguida com a Medalha de Mérito Cultural

268

A ministra da Cultura Graça Fonseca justifica a atribuição da medalha de Mérito Cultural por Paula Rego ser "uma artista extraordinária, que sempre procurou transformar a realidade através da arte".

Em 2010, foi nomeada Dame Commander of The Order of the British Empire pela Coroa Britânica

JOSÉ COELHO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A pintora Paula Rego vai ser distinguida com a Medalha de Mérito Cultural a 16 de julho, no atelier da artista, em Londres, anunciou esta sexta-feira o Ministério da Cultura.

De acordo com uma nota de imprensa divulgada pela tutela, a ministra da Cultura, Graça Fonseca, justifica a atribuição por Paula Rego ser “uma artista extraordinária, que sempre procurou transformar a realidade através da arte”.

“E é mulher e portuguesa. Portugal tem um imenso orgulho em poder afirmá-lo. Por isso, decidiu o Governo português reconhecê-lo publicamente através da atribuição da Medalha de Mérito Cultural”, justifica a tutela.

Paula Rego, “pela sua forma de pintar os segredos da humanidade e pelo seu percurso exemplar e único na história da pintura, representa um nome maior da arte contemporânea portuguesa e europeia”, acrescenta a mesma nota oficial.

Ao longo de décadas e através da sua pintura, livre de estéticas, escolas e formas, aprendemos a observar as regras de convivência entre homens e mulheres, mas também enriquecemos com a forma como traduziu, interpretou e imaginou os mais diversos contextos sociais e políticos”, acrescenta a mesma nota.

Através do conjunto da sua obra “percebemos ainda o quão grande pode ser o contributo da pintura para a construção de um imaginário sem fronteiras, sem limites e sem pudores, onde a condição da mulher não é nem periférica nem metafórica, mas uma afirmação concreta e uma realidade exposta”, sublinha.

O ministério recorda ainda que a inauguração, em 2009, da Casa das Histórias Paula Rego, em Cascais, “permitiu o acesso mais alargado de públicos não só à sua obra, mas também à vida excecional da artista”.

Nascida em Lisboa, Paula Rego, que completou 84 anos em janeiro deste ano, começou a desenhar ainda em criança, e partiu para a capital britânica com apenas 17 anos, para estudar na Slade School of Fine Art.

Em Londres conheceu o marido, o artista inglês Victor Willing, falecido em 1988, cuja obra Paula Rego já mostrou por várias vezes no museu Casa das Histórias, em Cascais, que detém um importante acervo de obras da autora.

Nas últimas décadas, a pintora tem abordado temas políticos, como o abuso de poder, e sociais, como o aborto, entre outros do universo feminino.

Em 2010, foi nomeada Dame Commander of The Order of the British Empire pela Coroa Britânica, pela sua contribuição para as artes. Em 2016 recebeu a medalha de honra da cidade de Lisboa.

Paula Rego está representada em várias das mais importantes coleções públicas europeias e em prestigiadas exposições em museus e em espaços expositivos de todo o mundo.

“Ampla e justamente premiada, o seu reconhecimento internacional constitui um extraordinário contributo para a afirmação da singularidade da criação e dos artistas portugueses”, acrescenta o comunicado.

Na sua deslocação a Londres, entre os dias 16 e 17 de julho, a ministra da Cultura irá entregar a distinção a Paula Rego e visitará também a exposição da pintora “Obedience and Defiance”, na Milton Keynes Gallery, patente até ao dia 22 de setembro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Identidade de Género

Minorias de estimação /premium

Laurinda Alves

No dia em que as casas de banho das escolas forem obrigatoriamente abertas a rapazes e raparigas de todas as idades, as agressões vão escalar e a “pressão dos pares” poderá ser ainda mais perversa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)