Rádio Observador

Património Cultural

Região de Paraty no Brasil classificada como Património Cultural e Natural da UNESCO

Comité diz que destaque dado à biodiversidade foi decisivo para a classificação. É a primeira classificação de caráter misto, do Brasil, de Património Cultural e Natural, aprovada pela UNESCO.

O Palácio Nacional de Mafra e o Santuário do Bom Jesus estão entre os 36 locais candidatos à classificação de Património Mundial

MARCELO SAYAO/EPA

A região de Paraty, no Estado do Rio de Janeiro, Brasil, recebeu esta sexta-feira a classificação de Património Cultural e Natural Mundial da UNESCO, na reunião do comité da organização, a decorrer em Baku, no Azerbaijão, anunciou a organização.

A candidatura brasileira, que diz respeito à área de Paraty e da Ilha Grande, e que já tinha sido levada ao Comité do Património Mundial em 2009, tendo então sido devolvida, é a primeira classificação de caráter misto, do Brasil, de Património Cultural e Natural, aprovada pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO).

De acordo com o parecer do comité, o destaque dado à biodiversidade, na região, foi decisivo para a classificação.

O território agora classificado abrange quase 149 mil hectares, com o centro histórico de Paraty rodeado de quatro áreas de conservação ambiental: o Parque Nacional da Serra da Bocaina, o Parque Estadual da Ilha Grande, a Reserva Biológica Estadual da Praia do Sul e a Área de Proteção Ambiental de Cairuçu, de acordo com o Instituto do Património Histórico e Artístico Nacional do Brasil (IPHAN).

A área de fronteira desta região estende-se a 407 mil hectares, envolve 187 ilhas sendo grande parte coberta por vegetação primária, com “rica diversidade marinha”, destaca o IPHAN.

Na candidatura, os testemunhos culturais incluem o Centro Histórico de Paraty, o Morro da Vila Velha, com o forte e o Museu do Defensor Perpétuo, sítios arqueológicos e parte do antigo Caminho do Ouro.

O território classificado inclui ainda “duas terras indígenas, dois territórios quilombolas e 28 comunidades caiçaras”, que vivem da relação com a natureza, da pesca artesanal, e mantêm modos de vida ancestrais.

Os habitats naturais são “importantes e significativos para a conservação da diversidade biológica”, prossegue o IPHAN, destacando a existência “de espécies endémicas da fauna e da flora, assim como espécies raras”, em “alto grau”.

A Serra da Bocaina, o Parque Estadual da Ilha Grande, a Reserva Biológica da Praia do Sul e a Área de Proteção Ambiental de Cairuçu estão inseridos na candidatura.

“Com cerca de 85% da cobertura vegetal nativa bem conservada, a área do sítio misto forma o segundo maior remanescente florestal do bioma Mata Atlântica. Além da sua extensão, as diferentes fisionomias vegetais permitem a ocorrência de uma fauna e flora incomparáveis, com diversas espécies raras e endémicas”, acrescenta.

A presidente do IPHAN, Kátia Bogéa, citada pelo comunicado deste organismo, disse regressar a casa “orgulhosamente”, com o título na bagagem. Em Paraty e Ilha Grande, “vemos de maneira excecional e única uma conjunção de beleza natural, biodiversidade ímpar, manifestações culturais, um conjunto histórico preservado, e testemunhos arqueológicos importantes para a compreensão da evolução da humanidade no planeta Terra”, afirmou.

O secretário especial da Cultura, Henrique Pires, no mesmo comunicado, afirma que a classificação é “uma enorme responsabilidade”, pois “será necessário cumprir uma série de requisitos para que [esta] permaneça, e isso é muito bom para a preservação do local”.

O ministro da Cidadania do Brasil, Osmar Terra, disse que a classificação “é excelente para o turismo da região”.

A candidatura de Paraty e Ilha Grande resultou de uma parceria entre o Ministério do Meio Ambiente do Brasil, do IPHAN e do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), dos municípios de Paraty e de Angra dos Reis e do Instituto Estadual do Ambiente.

Estas entidades, ainda segundo o IPHAN serão as responsáveis pela gestão do local, com o Instituto Estadual do Património Cultural, o Instituto Histórico e Artístico de Paraty, o Fórum das Comunidades Tradicionais e Observatório de Territórios Sustentáveis e Saudáveis da Bocaina.

O Palácio Nacional de Mafra e o Santuário do Bom Jesus, em Braga, estão entre os 36 locais candidatos à classificação de Património Mundial da UNESCO, que o comité da organização analisa na reunião 43.ª Sessão do Comité, a decorrer em Baku, no Azerbaijão, desde 30 de junho.

A reunião termina na próxima quarta-feira.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Património Cultural

Arquitectados para a arqueologia

Rui Lino Ramalho
162

Esta triste história com final feliz esconde mais do que o ainda escondido Cromeleque dos Almendres: esconde também alguns sintomas alarmantes da nossa cultura, cada vez mais digitalizada e impessoal.

Ministério da Cultura

Quadros que não sabem estar

Gonçalo Sobral Martins
445

Depois do real estate de Sócrates que não é de Sócrates, dos quadros da «Coleção Berardo» que não são de Berardo, temos agora as 170 obras do Estado que "apenas precisam de uma localização mais exata"

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)