Rádio Observador

Segurança Rodoviária

ANSR diz que estão a diminuir multas por excesso de velocidade junto aos radares

Sistema de radares, que inclui monitorização em 50 locais, entrou em funcionamento há precisamente três anos. Segundo a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária, houve redução de 57% nas infrações.

Em Portugal, existem 40 radares que são instalados em 50 cabines de forma rotativa

Tiago Petinga/LUSA

A Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR) garante que as multas por excesso de velocidade estão a diminuir junto aos 50 locais onde estão instalados os radares, cujo sistema entrou em funcionamento faz este sábado três anos.

O Sistema Nacional de Controlo de Velocidade (SINCRO) permite detetar automaticamente a infração por excesso de velocidade e é atualmente composto por 40 radares móveis que são instalados em 50 locais considerados críticos.

O primeiro radar do SINCRO entrou em funcionamento a 6 de julho de 2016 e foi instalado na autoestrada A5, que liga Lisboa e Cascais, mas só em julho de 2017 é que o sistema começou a ser explorado na totalidade.

Inicialmente, o SINCRO era composto por 30 radares móveis, mas o sistema foi entretanto reforçado com mais 10.

A agência Lusa pediu à Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR) um balanço de três anos de funcionamento do sistema, mas apenas respondeu que “entre o primeiro semestre de entrada em exploração (segundo semestre de 2017) e o primeiro semestre de 2019, verificou-se uma redução de 57% no número de infrações por excesso de velocidade”.

“Não obstante o aumento da circulação rodoviária e o reforço do sistema com mais 10 cinemómetros-radar, registou-se ainda assim uma mudança no comportamento dos condutores relativamente à velocidade, pelo que se considera que o sistema SINCRO está a cumprir com os objetivos para o qual foi concebido, isto é, a diminuição da velocidade de circulação nos locais onde os radares estão instalados”, precisa a ANSR.

A Lusa perguntou à Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária quantas infrações foram registadas por este sistema, mas não obteve qualquer resposta.

Os últimos dados, disponíveis no Relatório Anual de Segurança Interna (RASI) do ano passado, indicam que o SINCRO registou um total de 469.443 infrações entre 2017 e 2018.

O RASI indica que o SINCRO registou 291.698 infrações por excesso de velocidade em 2018, mais 113.953 do que no ano anterior.

A maioria das multas registadas no SINCRO foram leves (147.059), seguido das graves (139.551) e muito graves (5.088).

Os 40 radares de controlo de velocidade não são fixos, sendo instalados nas 50 cabines segundo um sistema rotativo previamente definido. Os condutores são informados da presença dos radares através de um sinal de trânsito.

A ANSR avançou ainda que está em curso a elaboração do processo de concurso público internacional para a expansão do sistema com mais 50 locais de controlo de velocidade e 30 radares.

Segundo a ANSR, a ampliação do SINCRO até 2020 é uma das medidas previstas na Estratégia Nacional de Segurança Rodoviária e já foram identificados os potenciais locais de controlo de velocidade.

Os últimos dados da ANSR mostram que o número de mortos nas estradas portuguesas continuou a subir nos primeiros seis meses do ano relativamente ao período homólogo, bem como o número de feridos graves, apesar de se terem registado menos acidentes.

De acordo a ANSR, entre 01 de janeiro e 30 de junho deste ano morreram 224 pessoas nas estradas portuguesas, mais seis do que no período homólogo (218).

No mesmo período foram registados 994 feridos graves, mais 101 do que nos primeiros seis meses de 2018.

Entre 1 de janeiro e 30 de junho deste ano registaram-se 63.058 acidentes, menos 382 do que em igual período do ano passado (63.440).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)