Rádio Observador

Crise dos Refugiados

Itália recusa entrada de barcos de resgate de migrantes no porto de Lampedusa

771

A Itália recusa a entrada no porto da ilha de Lampedusa das embarcações da Organização Não-Governamental (ONG) alemã Sea Eye, com 65 migrantes a bordo, e da italiana Mediterranea, com 41 resgatados.

Dois barcos de ONGs internacionais queriam chegar a Lampedusa, que consideram ser o porto mais seguro, mas Itália não deixou

DOMENIC AQUILINA/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A Itália informou este sábado recusar a entrada no porto da ilha de Lampedusa das embarcações da Organização Não-Governamental (ONG) alemã Sea Eye, com 65 migrantes a bordo, e da italiana Mediterranea, um pequeno veleiro com 41 resgatados.

O Ministério do Interior italiano informou que um barco da Guarda de Finanças, a polícia italiana responsável pela defesa nacional das fronteiras, notificou o comandante do barco Alan Kurdi, da organização Sea Eye, da “a proibição de acesso, trânsito e atraque em águas territoriais italianas”.

O ministro do Interior italiano, Matteo Salvini, de extrema-direita, estimulou uma política de portos encerrados a barcos das organizações humanitárias que salvam vidas no Mediterrâneo, que acusa de fomentarem a imigração ilegal.

O barco Alan Kurdi, batizado assim em memória do menino sírio afogado em 2015 em águas turcas, salvou na sexta-feira 65 migrantes em águas internacionais em frente à Líbia e rumou para Lampedusa por considerar este o porto seguro mais próximo.

Por outro lado, 41 migrantes aguardam o desembarque do veleiro Alex, da ONG italiana Mediterranea, um barco de pequenas dimensões e sem instalações suficientes para tantas pessoas, que permanecem ao sol, num convés lotado.

Na quinta-feira, 54 pessoas foram resgatadas da Líbia e, um dia depois, 13 tiveram que ser retiradas do Alex por razões médicas: seis mulheres (incluindo quatro grávidas), dois homens, quatro crianças menores de um ano e outra de 12 anos, indicaram fontes do Governo italiano.

Devido a estas condições, a ONG pediu permissão para atracar em Lampedusa.

O caso desta embarcação causou mau estar entre os governos da Itália e de Malta, uma vez que tem a permissão para desembarcar migrantes no porto de Valletta.

A Mediterranea considera “insensato” ter de viajar com 41 pessoas a bordo mais a tripulação — o barco tem capacidade para 18 — até Malta, a mais de 90 milhas de distância (cerca de 144 quilómetros) e não os deixem chegar a Lampedusa, a apenas 12 milhas (a apenas 20 quilómetros).

Segundo a ONG, será “impossível” chegar a Malta se os migrantes não forem primeiro transferidos para embarcações militares maltesas ou italianas.

Entretanto, a Itália enviou ao Mediterranea algumas provisões: 34 caixas, 54 refeições, quase 200 cobertores térmicos e desinfetante.

A Itália confirmou à embarcação a sua disponibilidade para a escoltar com navios militares até La Valletta, com o transbordo de migrantes para navios mais seguros, em troca de que o veleiro entre no porto e se submeta aos controles das autoridades.

O ministério de Salvini assinalou que a ONG recusou esta possibilidade, considerando esta atitude uma “exigência de impunidade”, isto é, a Itália suspeita de que a Mediterranea não pretende transportar os migrantes até Malta por temer que lhe confisquem a embarcação.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Socialismo

Má-fé socialista /premium

José Miguel Pinto dos Santos

Não é a situação social em Portugal muito melhor que na Venezuela — e que nos outros países socialistas? Sim, mas quem está mais avançado na implantação do socialismo, Portugal ou Venezuela?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)