Rádio Observador

Copa América

O triunfo da classe operária na terra dos artistas: Brasil vence Peru e conquista Copa América 12 anos depois

311

Jesus assistiu, marcou e foi expulso. Everton marcou e sofreu um penálti. Firmino foi gigante na tática. Brasil versão "classe operária" vence Peru (3-1) e conquista Copa América 12 anos depois.

Gabriel Jesus fez a assistência para o primeiro golo, marcou o segundo e acabou por ser expulso por acumulação de amarelos a 20 minutos do fim

Getty Images

Onde nasceram os convocados de Fernando Santos que recentemente venceram a Liga das Nações, já pensou nisso? Tiremos aqui uns instantes para fazer as contas por distritos: Ronaldo, o capitão, nasceu na Madeira; Rui Patrício, o número 1, veio de Leiria (Marrazes); Gonçalo Guedes, marcador do golo que decidiu a final, é de Santarém (Benavente). Mas também há representantes de Braga, do Porto, de Lisboa ou do Algarve, entre outros. Mais importante do que isso: o local de nascimento conta alguma coisa, faz alguma diferença? Em Portugal, nenhuma. Mas no Brasil a realidade no futebol não é propriamente assim.

Como sintetizava este domingo o enviado do El País à Copa América, em cada estado existe um estilo que tem a sua vida própria, entre a alegria dentro do caos dos cariocas à técnica organizada dos paulistas passando pela parte mais tática no sul do país com uma maior influência germânica. Aliás, e passando os olhos para a nossa realidade nacional, ainda há muitos treinadores que procuram saber o estado de nascimento e formação de jogadores brasileiros que surgem recomendados às suas equipas. Ainda assim, e dentro de características que se assumem como intrínsecas, há sempre margem para mudar. Evoluir. Melhorar. Foi isso que Tite fez desde que assumiu o comando da seleção. Foi isso que deu a Tite a possibilidade de recuperar a Copa América 12 anos depois (com um triunfo do Uruguai e dois do Chile pelo meio). E a vitória com o Peru funcionou como confirmação.

Por muito que se tenha falado na antecâmara desta inesperada final (se poucos acreditavam que o Peru conseguiria bater o Uruguai, ainda menos pensavam ser possível vencer o Chile e logo por 3-0) de um “Perucanazo”, recordando o “Maracanazo” na final do Campeonato do Mundo de 1950 em que o Uruguai gelou o Brasil e os 200 mil espetadores presentes nesse dia no recinto, os números apontavam para tudo menos isso. Em condições normais, a qualidade individual, as dinâmicas coletivas e até o fator casa colocavam a formação de Tite na frente mas havia ainda um ponto extra que mostra bem o que mudou neste “novo” Brasil: em cinco jogos entre fase de grupos, quartos e meias-finais, Alisson não sofreu um único golo ao longo de 450 minutos. No encontro decisivo, o registo caiu numa grande penalidade pouco antes do intervalo mas nem por isso o paradigma mudou.

O Brasil é e será sempre um país de artistas. Na cultura, na música, no desporto. E são aqueles artistas transversais, que quem gosta ama e quem não segue reconhece. No futebol não é exceção e as melhores versões do Brasil surgiram no tempo em que os grandes artistas da história do futebol nacional tiveram equipas em que havia “carregadores de piano” para os melhores tocarem a sua música. Sem Neymar, e olhando para a última votação da Bola de Ouro, este Brasil não tem os melhores dos melhores. E o que mais impressiona é que esses melhores-não-melhores estão sobretudo ao serviço de uma ideia coletiva, como tinha ficado bem espelhado no clássico das meias com a Argentina. O Brasil já foi um conjunto de grandes jogadores que nem sempre formavam uma grande equipa; este Brasil é uma grande equipa que consegue aproveitar da melhor forma grandes jogadores.

Depois da goleada sofrida na fase de grupos por 5-0, Ricardo Gareca, o argentino mais peruano de todos que mudou por completo o futebol do país, como explicava a Folha de São Paulo, montou uma estratégia com o seu quê de risco mas que foi funcionando, a condicionar a saída do Brasil. No entanto, foi uma questão de tempo até aparecer a veia mais pragmática dos anfitriões: já depois de um livre de Cuevas que não passou longe da baliza de Alisson, Dani Alves explorou as costas de Trauco onde estava Gabriel Jesus, o avançado do Manchester City cruzou largo e Everton, sozinho, voltou a fazer jus à alcunha de Cebolinha e deixou os defesas peruanos a chorar o primeiro golo logo aos 15′, sobretudo o lateral Advíncula que falhou no movimento de aproximação.

O Brasil não ia propriamente muitas vezes à baliza contrária mas, quando ia, o perigo tornava-se inevitável como aconteceu com Coutinho, a desviar na passada ao lado uma jogada que se desenvolveu pela esquerda, e Firmino, com um cabeceamento que passou perto da trave de Gallese. Já o Peru, a ter bem mais bola no terreno adversário do que no encontro da fase de grupos, não conseguia criar lances de perigo até que o empate lhe foi entregue quase de mão beijada: Thiago Silva entrou de carrinho para um corte com o braço a deslizar, o árbitro marcou penálti e Guerrero, grande referência dos peruanos que esteve suspenso por um problema num controlo anti-, fez o 1-1 já perto do intervalo (44′). As dúvidas voltavam ao jogo mas durariam pouco tempo: aos 45+3′, Firmino recuperou a bola, Arthur conduziu e Gabriel Jesus rematou colocado para nova vantagem do conjunto anfitrião.

O segundo tempo recomeçou com as mesmas características mas uma nuance que fez muita diferença nos primeiros 20 minutos, com Coutinho a ter liberdade para poder vir buscar bola mais atrás e aproveitar um buraco entre linhas de pressão do Peru. Quase todo o jogo ofensivo dos brasileiros passava pelos pés (e pela velocidade) do jogador do Barcelona, que ficou perto do 3-1 por mais do que uma vez antes de Gabriel Jesus ver o segundo amarelo de forma exagerada e deixar a formação de Tite reduzida a dez a cerca de 20 minutos do final do encontro, altura em que o Peru teve dois remates perigosos por Trauco (defesa de Alisson para canto) e Flores (a rasar o poste como guarda-redes batido) antes da entrada no quarto de hora final da partida.

Enquanto o jogador do City chorava nas escadas de acesso ao balneário por considerar que tinha sido uma expulsão injusta, Tite mexia na equipa com as entradas de Richarlison e Éder Militão para os lugares de Firmino e Coutinho, colocando maior presença no eixo recuado e permitindo que Dani Alves tivesse outro tipo de movimentos mais adiantados pela direita. Mais importante até do que esses reajustes táticos, a equipa soube jogar com o momento – algo que falhou nos últimos dois Mundiais, em 2014 e 2018 –, não teve qualquer problema em ganhar tempo nas pequenas faltas e acabou a chegar mesmo ao 3-1 por Richarlison, em mais uma grande penalidade que motivou consulta mais demorada por parte do VAR e do árbitro de campo (88′).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)