Nico Rosberg é um bom piloto que resolveu abandonar a F1 assim que se sagrou campeão do mundo com a Mercedes, logo num ano em que alguma dose de sorte lhe fez cair o título no regaço. Para muitos, foi porque não acreditava que voltaria a ter hipótese de bater Hamilton, para outros, a sua decisão de abandonar os circuitos prendeu-se com alguma dose de “cobardia” e por fim, para os mais “crentes”, a saída à francesa da disciplina máxima do desporto automóvel teve a ver com o desejo de passar mais tempo com a família. Logo ele que trabalhava para ser campeão do mundo, a maioria do tempo ao lado de Hamilton, desde miúdo.

Como bom piloto de F1 que é, Nico é exímio na arte da condução, pelo que o Ferrari 488 Pista não lhe coloca qualquer tipo de dificuldades, não só não se impressionando com a potência do motor 3.9 biturbo de 720 cv, como nada temendo da elevada potência de travagem e, muito menos, da exuberante velocidade de passagem em curva, fruto de uma eficácia de comportamento exemplar. E a realidade é que, para quem já correu de F1, um carro que faça 340 km/h parece que está parado, o mesmo acontecendo com a sua capacidade de passar pelos 100 km/h em somente 2,85 segundos.

A possibilidade de Nico conduzir o 488 Pista surgiu durante o Grande Prémio de França, realizado no circuito de Paul Ricard, um traçado que Rosberg conhece particularmente bem. No vídeo, que pode ver abaixo, Nico faz o que sabe fazer – e muito bem –, levando o 488 Pista aos limites, e mesmo além deles, brincando como só quem sabe é capaz de fazer, quando tem nas mãos um superdesportivo. Veja o vídeo e aprecie como um piloto (ex-piloto?) se apaixona por um Ferrari de estrada.