Rádio Observador

Aston Martin

Aston Martin vai perder milhões com o Valkyrie

178

A parceria entre a Aston Martin e a equipa de F1da Red Bull deu origem ao Valkyrie, o mais fabuloso dos hiperdesportivos do momento. Mas uma má avaliação do mercado vai levar a marca a perder milhões.

Todos os cálculos por detrás do Valkyrie, hiperdesportivo que vai começar a ser entregue aos seus clientes ainda em 2019, parecem estar correctos. Todos, menos um – e esse vai impedir a entrada de vários milhões na conta da Aston Martin. Elegante e agressivo, como é de esperar num veículo com estas características, o mais possante dos modelos da marca acertou na mouche no capítulo da aerodinâmica, ou não fosse ele obra de Adrian Newey, o mago que já provou a sua mestria ao desenhar os McLaren e Red Bull de F1 que dominaram a modalidade durante anos.

A prova está no facto de o Valkyrie praticamente não necessitar de asas proeminentes para estar colado ao solo, tudo porque toda a zona inferior do chassi está desenhada como se tratasse de um perfil de asa invertido, o que lhe vai permitir atingir velocidades mais elevadas.

Outro aspecto em que a estratégia parece ter sido perfeita foi na opção mecânica, com a Aston Martin a recorrer à Cosworth para a concepção daquilo que parece um motor de competição, capaz de ser instalado num carro homologado para circular em estrada. Com 6,5 litros de capacidade e 12 cilindros em V, o motor tem tudo para deliciar mesmo os mais exigentes, para depois o facto de conseguir girar até às 11.000 rpm lhe assegurar a desejada potência, apesar de se tratar de uma unidade atmosférica.

E porque, nos dias que correm, nem mesmo um hiperdesportivo se pode dar ao luxo de virar as costas às novas tecnologias, a Aston Martin e a Red Bull voltaram a acertar quando apostaram numa solução híbrida para reforçar os argumentos do Valkyrie. A opção foi encomendar à Rimac a concepção de um sistema tipo Kers, similar ao utilizado pelos F1, que ajudasse a elevar a potência do motor de combustão, colocando-o na fasquia do milhar de cavalos.

Onde a Aston Martin errou foi na avaliação do potencial do mercado para este tipo de modelos. Numa entrevista aos australianos da Carsales, o CEO do construtor, Andy Palmer, admitiu que andaram um pouco perdidos a tentar imaginar quantos Valkyrie poderiam vender, tendo hesitado entre 24 e 59 unidades. Num gesto arrojado, o fabricante decidiu elevar o limite de produção para 150 veículos, não sem alguma polémica interna, face à discrepância em relação às estimativas iniciais.

Depois de tanta análise e ponderação, qual não foi a surpresa da Aston Martin quando as encomendas começaram a chegar, num número esmagadoramente superior aos 150 Valkyrie que vão ser fabricados. Segundo Palmer revelou na entrevista, o fabricante recebeu cerca de 900 encomendas, que obviamente não pode satisfazer, uma vez que já se tinha comprometido com um valor muito inferior.  Isto significa que a Aston Martin, que terá comercializado o hiperdesportivo por cerca de 2,85 milhões de euros, vai encaixar 427,5 milhões de euros com a venda do Valkyrie, quando poderia facturar 2.565 milhões. Definitivamente, um erro de julgamento caro de aceitar.

Pesquisa de carros novos

Filtre por marca, modelo, preço, potência e muitas outras caraterísticas, para encontrar o seu carro novo perfeito.

Pesquisa de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)