Rádio Observador

Eurogrupo

Centeno apela à responsabilidade orçamental do novo governo grego

Centeno fala da crise económica grega como "a mais traumática de todas as experiências vividas nos últimos anos na Europa". A Grécia será alvo de uma "vigilância pós-programa reforçada", garantiu.

A "vigilância pós-programa reforçada" consiste em missões de três em três meses para garantir uma "política orçamental prudente"

OLIVIER HOSLET/EPA

O presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, recordou esta segunda-feira a “mais traumática de todas as experiências vividas na Europa nos últimos anos” para pedir responsabilidade em matéria orçamental ao novo governo grego, que será liderado pelo conservador Kyriakos Mitsotakis.

Referindo-se à agenda da reunião desta segunda-feira do fórum dos ministros das Finanças do espaço da moeda única em Bruxelas, Mário Centeno elucidou que um dos tópicos da mesma seria análise sobre o progresso na implementação das reformas e a situação económica da Grécia, elaborado pela Comissão Europeia.

“Não podemos esquecer que ontem [domingo] houve eleições na Grécia, o novo Governo começará hoje mesmo a ser formado e tomará posse entre hoje e amanhã [terça-feira], o que significa que num futuro próximo vamos voltar a esta questão já com o novo governo”, começou por dizer.

Ao ser instado a pronunciar-se sobre se espera que a Grécia, e nomeadamente o partido conservador Nova Democracia, tenham aprendido com as lições do passado, o presidente do Eurogrupo lembrou que hoje a área do euro funciona de “uma forma muito diferente do que funcionava antes da grande crise de 2007 e 2008 e depois das crises da dívida soberana seguintes”, e que todos os países aprenderam “a importância de ter um processo de política económica, em particular de política orçamental, credível”.

Foi seguramente a mais traumática de todas as experiências vividas nos últimos anos na Europa, foi o maior conjunto de pacotes de ajuda externa alguma vez desenhados no mundo e na história. É muito importante ter a noção disso e da responsabilidade que isso coloca seguramente no novo Governo grego. Ninguém quer voltar a experienciar o que foram aqueles anos e aqueles dias de ajuda económica”, vincou.

A Grécia, o país europeu mais atingido pela crise económica e financeira, foi o primeiro e último a pedir assistência financeira — e o único “reincidente” –, e a conclusão do seu terceiro programa, em 20 de agosto, assinalou também o fim do ciclo de resgates a países do euro iniciado em 2010, e que abrangeu igualmente Portugal (2011-2014), Irlanda, Espanha e Chipre.

Face às características únicas da (tripla) assistência prestada ao país e às fragilidades que a sua economia ainda revelava, a Grécia foi e será alvo de uma “vigilância pós-programa reforçada”, com missões de três em três meses, para garantir que Atenas prossegue, nesta nova era pós-resgates, uma “política orçamental prudente”.

No domingo, após ser declarado vencedor das eleições antecipadas, com 39,8% dos votos, Kyriakos Mitsotakis assegurou que manterá a promessa de reduzir impostos, atraindo investimento e cortando burocracia para tornar a Grécia mais atrativa para negócios.

O líder do partido conservador Nova Democracia, que no domingo derrotou o partido de esquerda Syriza do até agora primeiro-ministro, Alexis Tsipras (31,5% dos votos), foi hoje investido como primeiro-ministro da Grécia numa cerimónia realizada no palácio presidencial em Atenas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)