Rádio Observador

Governo

Propostas orçamentais “em fascículos” do PSD parecem “inconsistentes” ao Governo

Ricardo Mourinho Félix considerou as propostas orçamentais já apresentadas "inconsistentes", dizendo que "não conhecendo as hipóteses subjacentes, é difícil perceber se é um cenário credível".

Ricardo Mourinho Félix representa Portugal nas reuniões do Eurogrupo desde que o ministro Mário Centeno foi eleito presidente do fórum

ARIS OIKONOMOU/EPA

O secretário de Estado das Finanças disse esta segunda-feira, em Bruxelas, que as propostas orçamentais já apresentadas pelo PSD lhe parecem “inconsistentes”, mas afirmou ser necessário aguardar pela apresentação dos próximos “fascículos” para analisar “a obra completa”.

À saída de uma reunião de ministros das Finanças da zona euro, Ricardo Mourinho Félix, quando questionado sobre as propostas orçamentais apresentadas na semana passada pelo líder do principal partido da oposição, Rui Rio, começou por comentar que “os planos têm saído em fascículos”, tendo primeiro sido “apresentado o cenário macroeconómico e orçamental” e, “mais recentemente, a componente relativa à parte fiscal”.

“Eu acho que é importante que sejam apresentados, é bom que sejam apresentados. Acho que é um avanço naquilo que é a discussão democrática em Portugal, em particular em períodos pré-eleitorais, que os partidos apresentem as suas propostas, as quantifiquem, para que elas possam ser comparadas e discutidas numa base quantificada”, observou.

O secretário de Estado Adjunto e das Finanças — que representa Portugal nas reuniões do Eurogrupo desde que o ministro Mário Centeno foi eleito presidente do fórum — ressalvou todavia que é necessário “aguardar para ter a obra completa e poder depois fazer uma análise, porque só tendo todos os blocos é que é possível fazer essa análise”.

Ainda assim, e quando questionado sobre se as propostas avançadas por Rio lhe parecem credíveis, afirmou que, “não conhecendo as hipóteses subjacentes, é difícil perceber se é um cenário credível ou não”, mas acrescentou que, para já, a obra incompleta lhe parece “inconsistente”.

“Na parte orçamental, confesso que aquilo que é apresentado me parece um pouco, diria, inconsistente, no sentido em que baixar impostos, aumentar investimento, reduzir o défice e a dívida ao mesmo tempo é algo que não é totalmente consistente, a menos que exista, e no cenário isso aparece, uma redução muito significativa do consumo intermédio”, disse.

Ricardo Mourinho Félix observou então que “aquele cenário dificilmente é compatível com um conjunto de dinâmicas”, tais como “a evolução normal das promoções” e “daquilo que é o funcionamento, por exemplo, da lei de bases da segurança social a nível das prestações sociais”.

“Mas, como digo, sem ter mais informação sobre as medidas detalhadas e em concreto, é difícil tecer mais considerações”, concluiu.

Na passada semana, o presidente do PSD, Rui Rio, comprometeu-se a reduzir a carga fiscal na próxima legislatura caso vença as eleições, sendo o aumento do investimento público outra das apostas para dar aos portugueses “melhor emprego e melhores salários”.

Em conferência de imprensa na sede do PSD, em Lisboa, na terça-feira, Rio apresentou as linhas gerais do quadro macroeconómico para 2019-2023, que serve de base ao programa eleitoral do partido para as eleições legislativas de outubro, tendo na sexta-feira, no Porto, detalhado algumas medidas, tais como a redução das taxas do IRS nos escalões intermédios, para aliviar a carga fiscal da classe média, e baixar em quatro pontos percentuais o IRC.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)