Rádio Observador

Aeroporto de Lisboa

SEF deteve “passador” de menores no aeroporto de Lisboa

Um dos menores estava visivelmente debilitado e intercetado pelas autoridades por estar desacompanhado. Esquema de crianças africanas que passam em Lisboa para ir para a Europa é já conhecido do SEF.

Foram ainda detetados no mesmo voo três cidadãos estrangeiros, adultos, igualmente indocumentados

Miguel A. Lopes/LUSA

O SEF deteve sexta-feira um “passador” de menores no Aeroporto de Lisboa após ter desembarcado de um voo proveniente de Luanda, sendo suspeito de tráfico de pessoas e auxílio à imigração ilegal. Em comunicado, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras adianta que o homem atuava como “passador” e chegou Lisboa acompanhado por dois menores, de 13 e 15 anos, que foram detetados pelos inspetores do SEF na zona internacional do aeroporto.

Segundo o SEF, os menores encontravam-se desacompanhados e um deles estava fisicamente debilitado, com sinais evidentes de doença num dos membros inferiores. Aliás, está neste momento internado no hospital.

Aquele serviço de segurança sublinha que os menores e o “passador” tinham cumprido o trajeto entre Luanda e Lisboa com destino à cidade da Praia, em Cabo Verde, em lugares contíguos, e os bilhetes foram adquiridos em conjunto pelo homem detido.

Além dos dois menores, foram ainda detetados no mesmo voo três cidadãos estrangeiros, adultos, igualmente indocumentados, e que viajavam também com o detido, refere aquele serviço de segurança.

O SEF precisa que foi possível também apurar que o detido tinha como objetivo o transporte dos menores para fora do espaço Schengen.

Nesse sentido, orientou as vítimas para se apresentarem na fronteira ou pedirem auxílio horas depois do seu embarque, situação que não ocorreu no caso concreto pela extrema fragilidade e sofrimento físico de um dos menores que solicitou auxílio à chegada a Portugal.

O SEF salienta que esta situação enquadra-se num modo de atuação já detetado várias vezes por esta polícia e que consiste na aquisição de bilhete de viagem para destino que permita o trânsito no espaço Schengen, sem necessidade de visto de escala, apresentando-se posteriormente na fronteira nacional indocumentados, solicitando proteção internacional.

Segundo o SEF, neste tipo de redes, muitas vezes, o principal objetivo é encaminhar os menores para países como França, Bélgica ou Alemanha, para serem utilizados por familiares e terceiros como forma de obtenção de acréscimo de apoios sociais.

Depois de ter sido presente às autoridades judiciais, o homem detido ficou em prisão preventiva, enquanto um dos menores está hospitalizado e o outro foi encaminhado para uma instituição de acolhimento. Os três adultos que viajavam neste grupo foram devolvidos ao país de origem sob escolta.

No ano passado o SEF criou equipas especializadas, vocacionadas para uma intervenção integrada ao nível da proteção e acolhimento das vítimas de tráfico de seres humanos no âmbito da prevenção e investigação criminal de especial complexidade como é o tráfico de pessoas.

As autoridades garantem que existe uma articulação permanente entre os elementos em funções na direção de fronteiras de Lisboa e os elementos da Unidade Anti-Tráfico de Seres Humanos do SEF (UATP), com o apoio de uma Procuradora do Ministério Público, do DIAP de Lisboa, dedicada exclusivamente aos casos detetados no Aeroporto de Lisboa.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)