Rádio Observador

BMW

Até a grelha dá luz. Novo BMW X6 chega em Novembro

Mais comprido, mais largo e mais baixo, o novo BMW X6 vai ser lançado em Novembro. O SUV capricha na imagem desportiva, incorporando a enorme grelha que tem dominado os últimos lançamentos da marca.

A BMW prefere definir o X6 não como um SUV, mas como um SAV (Sports Activity Vehicle) com ares de coupé. Denominações à parte, a verdade é que a fórmula conquistou clientela e tem vindo a renovar-se desde o seu lançamento, em 2008. Chega agora a terceira geração, cuja introdução no mercado ocorrerá a partir de Novembro próximo, posicionando-se como uma alternativa a modelos como o Audi Q8, o Porsche Cayenne Coupé e o Mercedes GLE Coupé.

Crescendo em todas as medidas, excepto em altura (6 mm mais baixo, 1.696 mm), o novo X6 exibe uma imagem mais imponente: está 26 mm mais comprido que o X6 de 2015 (4.935 mm) e 15 mm mais largo (2.004 mm). O incremento das dimensões reflecte-se na distância entre eixos, que também aumentou 42 mm (2.975 mm), o que reverterá numa maior amplitude para quem se senta nos lugares posteriores. A bagageira, contudo, não revela quaisquer ganhos, mantendo-se os 580 litros da geração anterior – o que significa que, neste quesito, o X6 perde para todos os seus concorrentes (Q8 com 605 litros, GLE com 650 litros e Cayenne Coupé entre 600 e 625 litros).

Esteticamente, a maior mudança concentra-se na dianteira. É clara a aproximação da linguagem estilística aos mais recentes lançamentos da marca bávara, com o X6 a adoptar a grande grelha de duplo rim que os novos Série 7 e X7 exibem. A novidade, aqui, é que o novo SUV oferece pela primeira vez a possibilidade de a grelha ser iluminada, opcional esse que é activado automaticamente com a abertura e o fecho das portas, podendo mesmo dar um ar da sua graça durante a condução. De série, as jantes são de 19 polegadas, excepto nas versões mais potentes (21 polegadas).

Personalizável com duas linhas de equipamento, xLine e M Sport, o novo X6 apresenta um habitáculo em linha com o X5, propondo o chamado BMW Live Cockpit Professional, que combina um painel de instrumentos de 12,3 polegadas com outro display, do mesmo tamanho, ao serviço do sistema multimédia. Entre outras habilidades, destaque para o mordomo digital, sempre disponível para ajudar o condutor mal este entabule conversa, soletrando as palavras mágicas: “Hey BMW”.

Quanto aos sistemas de segurança, são inúmeros os dispositivos disponíveis, incluindo o mais avançado pacote Driving Assistant Professional. De série, porém, o cliente pode contar apenas com o cruise control activo com detecção de peões e ciclistas e travagem de emergência. A assistência ao parqueamento também é standard, podendo o X6 memorizar 50 metros da trajectória em frente e replicá-los automaticamente em marcha-atrás, no que pode ser uma ajuda particularmente útil em zonas muito estreitas.

Sob o capot, quatro opções em paridade: dois diesel e dois gasolina. A gasóleo, a oferta compõe-se pelo xDrive30d de 265 cv e pelo M50d de 400 cv. Já o xDrive40i é o mais pequeno dos blocos a gasolina, debitando 340 cv contra os 530 cv do M50i, o motor mais possante e o único oito cilindros – os restantes são seis cilindros. Qualquer que seja a escolha do cliente, a transmissão é sempre a Steptronic, uma caixa automática de oito relações com conversor de binário. Como é habitual, xDrive é sinónimo de tracção integral, enquanto as versões M se impõem por um pendor mais aguerrido, incluindo de série o sistema de escape desportivo M Sport, que é um extra na restante oferta.

Pesquisa de carros novos

Filtre por marca, modelo, preço, potência e muitas outras caraterísticas, para encontrar o seu carro novo perfeito.

Pesquisa de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: scarvalho@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)