Rádio Observador

Holanda

Jovem futebolista português de 20 anos morre em acidente de viação na Bélgica

208

Helton Fernandes seguia num carro que embateu na fachada de um café. Seguia com mais quatro jovens que também não sobreviveram. Jogava futebol em escalões secundários da Holanda.

Os amigos de Helton Fernandes já deram início a uma campanha de recolha de fundos para ajudar a família do futebolista

O jovem de descendência portuguesa Helton Fernandes, de 20 anos e que jogava futebol em escalões secundários da Holanda, morreu no sábado num acidente de carro na Bélgica. Na viatura, que embateu na fachada de um café na localidade belga de Kortessem, seguiam mais quatro jovens. Nenhum sobreviveu ao acidente. A notícia foi divulgada por vários órgãos holandeses.

Segundo o jornal holandês Limburger, o acidente ocorreu às 6h00 da manhã. A viatura seguia a alta velocidade quando embateu no edifício.

O jovem português jogava no RKVVL/Polaris. De acordo com o mesmo jornal, Fernandes tinha assinado há pouco tempo com um clube da terceira divisão holandesa, o Standaard Caberg Maastricht.

“Tão jovem. Porquê? Nunca vamos ter uma resposta para isso”, escreveu o clube onde Helton Fernandes atuava.

In verband met het veel te jonge overlijden van Helton Fernandes zal morgen 8 juli 2019 vanaf 19.00 uur de kantine van…

Posted by RKVVL/Polaris on Sunday, July 7, 2019

Entretanto, amigos de Helton Fernandes iniciaram uma campanha de recolha de fundos para ajudar a família do futebolista. “O Helton Fernandes tinha apenas 20 anos e deixou-nos muito cedo. Queremos apoiar a família com estas doações, para que possam dizer adeus de forma apropriada”, escrevem os amigos responsáveis pela campanha. Em dois dias, as doações já ultrapassaram os 5.000 euros definidos como meta.

No carro seguiam dois jogadores do clube MVV de 19 e 22 anos. O clube também usou as redes sociais para se despedir dos dois amigos de Fernandes no Twitter. As outras vítimas são um rapaz de 20 anos e uma rapariga 18.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eutanásia

Pothoven, laissez-faire e a morte anunciada

António Graça Moura
143

Pothoven ficar-me-á sempre na memória como um símbolo, pelas reações que espoletou, duma sociedade pós-moderna que privilegia as soluções mais imediatas. E que o sistema que a devia ter apoiado falhou

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)