Rádio Observador

Brexit

“Linha Brexit” atendeu quase 25 mil portugueses a viver no Reino Unido

O centro de atendimento consular para o Reino Unido, a "Linha Brexit", foi criado há três meses. Governo diz que, até agora, já deu resposta a quase 25 mil portugueses a viverem no Reino Unido.

Bandeira da UE durante manifestação contra o Brexit

ANDY RAIN/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A criação da “Linha Brexit”, ou centro de atendimento consular para o Reino Unido, no início de abril, permitiu atender telefonicamente até agora “mais 15.000 portugueses” e dar resposta a 9.300 emails, anunciou esta terça-feira o Governo.

“Isto é muito interessante porque estamos a falar de uma comunidade que tem vindo a ter algumas incertezas quanto ao seu futuro, tendo em conta o processo de saída do Reino Unido da União Europeia”, destacou o secretário de Estado adjunto e da Modernização Administrativa, Luís Goes Pinheiro, que visitou com o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, o Centro de Atendimento Consular (CAC) em Lisboa, onde estão em funcionamento a “Linha Brexit”, desde 2 de abril último, e o centro de atendimento consular para Espanha desde abril de 2018.

Segundo os dados do Governo, 69 mil portugueses pediram já o estatuto de residente naquele país e foi-lhes concedido.

“Significa que cerca de um terço dos portugueses registados no consulado de Londres e de Manchester já obteve aquilo que é mais importante para a salvaguarda dos seus direitos futuros: o estatuto de residente no Reino Unido”, sublinhou, por seu lado, José Luís Carneiro.

A “Linha Brexit”, que faz parte de um plano de contingência com várias medidas para dar resposta às questões suscitadas pela saída britânica da UE, é um serviço que se revelou “essencial”, segundo Luís Goes Pinheiro.

Este centro de atendimento consular a funcionar em Lisboa conta com dez operadores e uma supervisora, todos multilingues, e oferece um apoio de “primeira linha” aos cidadãos portugueses que se relacionam com os consulados de Londres e de Manchester no Reino Unido.

O CAC para Espanha atendeu desde a abertura em abril de 2018 mais de 38 mil pessoas e respondeu a mais de 6 mil emails. Emprega quatro operadores bilingues e uma supervisora, segundo Goes Pinheiro.

Os problemas dos cidadãos que vivem fora de Portugal “acabam por ser semelhantes”, de acordo com o governante. Em regra, cerca de 50% dos contactos são feitos por cidadãos que querem fazer agendamentos de atos consulares e a outra metade pretende informações. Quanto aos agendamentos, a maior parte prende-se com a renovação do cartão de cidadão e em seguida a renovação do passaporte, temas com que se relaciona também a maior parte dos pedidos de informações.

No caso concreto do Reino Unido, no entanto, “há muitas questões relacionadas com o ‘Brexit’ e a situação dos portugueses que lá residem [no Reino Unido]”, esclareceu Luís Goes Pinheiro.

Já quando ao que os serviços respondem em concreto sobre a questão, o governante reconhece com humor que “o que se pode responder sobre o ‘Brexit’ vale muito dinheiro”, mas acrescentou que tem sido transmitido que o país está “muito atento” à situação dos portugueses que residem no Reino Unido, assim como à dos britânicos que residem em Portugal.

“Tem sido adotado um conjunto de medidas para que, independentemente do que venha a acontecer com o Brexit, haja soluções para essas comunidades”, sublinhou Goes Pinheiro.

José Luís Carneiro enquadrou a criação dos dois CAC, para Espanha e para o Reino Unido, no “esforço mais global de modernização dos serviços consulares e da Administração Pública portuguesa”, que dá corpo a um “grande objetivo” do Governo de criar “um sentimento de igualdade entre quem está fora e está dentro do país”.

“Tem sido empreendido um conjunto de esforços no sentido de garantir essa igualdade, a começar pela digitalização dos serviços consulares”, disse, cuja medida mais emblemática é a do ato único de inscrição consular, que assenta na transferência de todas as bases de dados e arquivos dispersos pelos 117 postos consulares de carreira no mundo para uma base de dados centralizada no Ministério dos Negócios Estrangeiros.

“Este passo está a apresentar resultados positivos em seis postos e será hoje mesmo [terça-feira] objeto de uma avaliação”, anunciou José Luís Carneiro.

A constituição do “novo modelo de gestão consular”, continuou o governante, foi materializada pela alteração da validade do cartão de cidadão de cinco para dez anos, pela criação do novo modelo de passaporte, denominado “passaporte de passageiro frequente”, e ainda pela criação de uma aplicação “registo viajante”, que se prende com o aperfeiçoamento da capacidade de resposta do Gabinete de Emergência Consular, que agora acompanha já mais de 30 mil viagens por ano e que permitirá àquele serviço “garantir condições de segurança e apoio aos que estão em trânsito”.

“Estamos a falar de mais de um milhão de portugueses que saem do país anualmente”, sublinhou José Luís Carneiro. A aplicação “tem vindo a ser aperfeiçoada” com a colaboração da Agência Portuguesa de Viagens, especificou.

Ainda no âmbito da modernização da prestação de serviços às comunidades, o secretário de Estado destacou a criação da plataforma “Português mais Perto”, desenvolvida pelo instituto Camões em colaboração com Porto Editora, e que se prende com o ensino da língua portuguesa.

Esta plataforma serve hoje cerca de 30 países, nomeadamente na Ásia, onde não há rede de ensino do português, e “permite aos cidadãos de várias gerações acederem ao ensino da língua, desde o ensino básico ao ensino superior”, sublinhou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Socialismo

Má-fé socialista /premium

José Miguel Pinto dos Santos

Não é a situação social em Portugal muito melhor que na Venezuela — e que nos outros países socialistas? Sim, mas quem está mais avançado na implantação do socialismo, Portugal ou Venezuela?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)