Rádio Observador

Morte

Morreu Arthur Ryan, o criador das lojas Primark

A primeira loja da marca Primark abriu em Dublin, na Irlanda, em 1969. O criador das lojas de roupa de "fast fashion" morreu esta segunda-feira, aos 83 anos. O seu maior medo era ser raptado.

REMKO DE WAAL/AFP/Getty Images

Reservado ao limite e obcecado com a sua segurança. Provavelmente, dois dos traços mais conhecidos na postura do criador das lojas de roupa de ‘fast fashion’ imbatíveis em popularidade e preços baixos. Arthur Ryan, o fundador da célebre Primark, morreu na segunda-feira aos 83 anos, confirma a empresa num comunicado.

© Primark

A primeira loja da Primark abriu em Dublin, na Irlanda, em 1969, e ainda hoje se chama ‘Penneys’, o nome original da marca que cumpre 50 anos de atividade, e que está presente em Portugal em dez espaços espalhados pelo país. Nascido em julho de 1935, filho de um funcionário dos seguros, Arthur St. John Ryan abriu a primeira Penneys no número 47 da Mary Street, na capital irlandesa, e ao longo das décadas manteve o peculiar hábito de visitar as suas lojas de forma o mais anónima possível. De resto, o empresário cultivou sempre a discrição ao longo do seu trajeto, permitindo pouco acesso à sua vida privada e fazendo-se acompanhar em permanência de uma equipa de guarda-costas.

Foi em Londres, para onde a família se mudou, que se estreou a trabalhar, primeiro entre gravatas na Swan &Edgar e posteriormente nos armazéns Carr & McDonald. Mais tarde regressaria à sua Irlanda natal para deitar mãos à obra nos armazéns Dunnes Stores. Foi aí que o milionário britânico-canadiano Gales Weston reparou em Arthur, garantindo-lhe o capital suficiente para arrancar com o modelo de negócio Penneys.

Com o público alvo situado nas faixas mais jovens, até aos 35 anos, o primeiro passo da expansão, já em 1973, foi conseguido em solo inglês, onde em 2005 o grupo haveria de comprar 120 lojas à cadeia Littlewoods por 450 milhões de euros. Para trás, ou neste caso confinado apenas ao território irlandês, ficara o nome de batismo inicial. Uma decisão para evitar conflitos com a norte-americana J.C. Penney. E assim nascia a Primark, que aterrou em solo nacional em 2009 (o primeiro espaço abriu portas no Dolce Vita Tejo), fiel à fórmula do grupo: o acesso a um sem fim de peças-tendência acessíveis por um preço que promete não dar cabo do orçamento. É nesse mesmo ano que Ryan se despede da liderança, depois de 40 anos ao leme dos destinos. Paul Marchant, o chefe de operações a retalho, assumia então a direção da Primark.

Meio século volvido, falamos de um verdadeiro templo de roupa, acessórios, artigos para a casa e soluções para criança que se estende hoje por milhares de metros quadrados espalhados por 11 países na Europa e América. Ao todo, somam 350 lojas, a mais recente das quais uma gigantesca meca do consumo. Falamos da loja de Birmingham High Street, que ocupa um espaço comercial de 14 800 m² que ocupam cinco pisos e incluem experiências de degustação, estúdio de beleza e barbeiros.

Mas se o franchisado é conhecido pelas suas bagatelas, o seu fundador pagou um preço altíssimo no contexto mais pessoal, fruto de alguns episódios particularmente trágicos, e que nem o seu afastamento dos holofotes conseguiu abafar. Ryan foi casado com Alma Caroll, com quem teve uma filha (tivera outros quatro filhos de um anterior casamento), e vivia numa das casas mais protegidas de Dublin. Raramente visto em público, e zero recetivo a entrevistas, receava ser alvo de rapto, uma ameaça latente para uma série de magnatas do retalho irlandês nas últimas décadas do século XX. Nos anos 80, nomes como o de Ben Dunne, ou mesmo o de Galen Weston foram alvo das investidas do IRA (Exército Republicano Irlandês).

Um dos maiores reveses para o empresário terá acontecido em junho de 2015, quando o seu filho Barry, então com 51 anos, morreu ao tentar salvar do afogamento o seu filho e a namorada deste, que também não conseguiram sobreviver.

Quanto à história da Primark, é feita de altos e baixos como em quase todas, e não faltam detalhes curiosos, como a opção dos clientes transgénero poderem escolher em qual dos provadores se sentem mais confortáveis ou o rosto feminino que terá estado ao lado de Arthur em boa parte do seu caminho. Eis Breege O’Donoghue, mais conhecida como a “matriarca da Penneys”, que se retirou das funções de diretor executiva em 2016, depois de 37 anos ao serviço.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)