Rádio Observador

Israel

PM de Israel faz ameaça velada ao Irão ao lembrar capacidade dos caças F-35

Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel, colocou-se nesta terça-feira em frente a um caça F-35 e afirmou que o avião poderia alcançar qualquer país do Oriente Médio, incluindo Irão e Síria.

Primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu

ABIR SULTAN / POOL/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, fez hoje uma ameaça velada ao colocar-se em frente a um caça F-35 e afirmar que aqueles aviões alcançam qualquer local do Médio Oriente, incluindo o Irão ou a Síria.

O aviso, feito durante uma visita a uma base aérea, aconteceu um dia após o Irão ter anunciado que ultrapassou o nível de enriquecimento de urânio determinado pelo acordo do nuclear, assinado em 2015 pelo Irão, os Estados Unidos, a China, a Rússia e países da União Europeia.

O Irão “deve lembrar-se que estes aviões conseguem alcançar qualquer local do Médio Oriente, incluindo o Irão e, com toda a certeza, a Síria”, disse Netanyahu depois de se colocar em frente ao caça.

O primeiro-ministro de Israel já tinha pedido, no fim de semana, às potências mundiais que aplicassem “sanções imediatas” ao Irão assim que fosse ultrapassado o nível de enriquecimento de urânio.

Para Benjamin Netanyahu, o enriquecimento de urânio só pode ter como objetivo a criação de bombas atómicas, pelo que os líderes ocidentais devem cumprir o combinado e impor novas sanções ao Irão.

Na Europa, a chefe da diplomacia europeia e os ministros dos Negócios Estrangeiros de França, Alemanha e Reino Unido (os países da EU que são signatários do acordo) exigiram que o Irão volte a respeitar os limites de enriquecimento de urânio, admitindo estarem “profundamente preocupados”.

Entretanto, a Presidência de França anunciou que o conselheiro diplomático francês Emmanuel Bonne visita Teerão hoje e quarta-feira para reunir-se com as autoridades iranianas e tentar diminuir a tensão à volta do acordo nuclear.

A Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) confirmou na segunda-feira que o Irão ultrapassou o nível de enriquecimento de urânio permitido.

“Os inspetores da agência verificaram, em 08 de julho, que o Irão enriqueceu urânio acima dos 3,67% [grau máximo de enriquecimento de urânio permitido pelo acordo]”, disse um porta-voz da AIEA, citado num comunicado.

A nota informativa da AIEA foi divulgada horas depois de as autoridades de Teerão terem anunciado estarem a produzir urânio enriquecido em pelo menos 4,5%, em resposta ao restabelecimento das sanções por parte dos Estados Unidos.

Para avaliar os últimos desenvolvimentos relativos ao acordo nuclear com o Irão, o conselho dos governadores da AIEA, cuja sede é em Viena, terá uma reunião extraordinária na quarta-feira.

O acordo do nuclear foi assinado em Viena, em 2015, entre o Irão e seis grandes potências mundiais (França, Reino Unido, Alemanha, China, Rússia e Estados Unidos), após 12 anos de crise à volta do programa nuclear iraniano.

Segundo o documento, o Irão compromete-se a não se dotar de bomba atómica e a limitar drasticamente as suas atividades nucleares em troca do levantamento de sanções internacionais que asfixiavam a sua economia.

Em maio de 2018, o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, decidiu retirar-se unilateralmente do acordo e restabelecer sanções ao Irão, incluindo no setor petrolífero.

Trump justificou a saída deste pacto ao acusar o Irão de nunca ter renunciado a dotar-se de uma arma atómica (enquanto Teerão sempre desmentiu esta acusação) e de ser a origem de todos os problemas no Médio Oriente.

As novas sanções dos EUA provocaram uma fuga das empresas estrangeiras do Irão, que tinham regressado após o acordo, fazendo cair a economia iraniana numa grave recessão.

Um ano depois, o Irão, considerando que tinha sido muito paciente, mas que os restantes signatários não tinham tomado qualquer medida face à decisão dos EUA, resolveu quebrar o compromisso e anunciou que iria voltar a investir no enriquecimento de urânio.

Teerão ameaçou ainda livrar-se de outras obrigações em matéria nuclear nos próximos “60 dias”, a menos que uma outra solução seja encontrada, com os seus parceiros do acordo sobre o programa nuclear iraniano, para responder às suas exigências.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)