O Ministério Público acusou cinco pessoas por burlarem um casal a quem entregaram 500 milhões de dólares em falsos títulos da reserva federal norte-americana para comprar a empresa que tinham em França, revelou esta terça-feira a Procuradoria-Geral Distrital do Porto.

De acordo com a nota da PGD do Porto, publicada na página oficial, em 2012 as vítimas do esquema, um casal, terá entregue 1,5 milhões de euros aos agora arguidos em troca dos títulos da reserva federal norte-americana.

“No dia 28 de junho de 2019, o Ministério Público no DIAP [Departamento de Investigação e Ação Penal] da Procuradoria da República de Braga (…), deduziu acusação contra cinco arguidos, imputando a todos eles a prática de um crime de burla qualificada e de um crime de falsificação”, indica a PGD do Porto em nota publicada na página oficial.

De acordo com a Procuradoria “o Ministério Público considerou indiciado que os arguidos, tendo tomado conhecimento que as vítimas, marido e mulher, pretendiam vender uma empresa sediada em França, de que eram únicos sócios, desenharam um plano para conseguirem vantagens patrimoniais à sua custa”.

Segundo a acusação, “quatro dos arguidos, com a intermediação do quinto arguido, advogado das vítimas, apresentaram-se perante elas, em Braga, como possuidores de robusta situação financeira, detentores de muito dinheiro e de uma fundação nos Estados Unidos”.

Os arguidos terão mesmo indicado “serem detentores de títulos da reserva federal norte-americana, no valor de 500 milhões de dólares, com que se propunham pagar a aquisição da empresa”.

“No contexto das negociações, as vítimas, no dia 10 de maio de 2012, em França, entregaram aos arguidos 1,5 milhões de euros, recebendo deles os títulos da reserva federal americana no valor de 500 milhões de dólares, valor pretensamente depositado no Chase Manhattan Bank, que se vieram a revelar falsos”, acrescenta a PGD.