Rádio Observador

Corrupção

Ex-diretor do Museu da Presidência vai ser julgado

283

O Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa decidiu levar a julgamento o ex-diretor do Museu da Presidência Diogo Gaspar, acusado de tráfico de influências, falsificação, peculato e abuso de poder.

O Ministério Público acusa ex-diretor do Museu da Presidência de abuso de poder e tráfico de influência

LUSA

O Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa decidiu esta quarta-feira levar a julgamento o ex-diretor do Museu da Presidência Diogo Gaspar, acusado de tráfico de influências, falsificação, peculato e abuso de poder.

A decisão foi da juíza de instrução Maria Antónia Andrade que confirmou a acusação do Ministério Público para os quatro arguidos do processo ‘Operação Cavaleiro’: Diogo Gaspar, José Dias, Paulo Duarte e Vítor Santos.

Em junho de 2016, o então diretor do Museu da Presidência foi detido por suspeitas de tráfico de influência, falsificação de documento, peculato, peculato de uso, participação económica em negócio e abuso de poder.

O Ministério Público diz ter provas de que Diogo Gaspar usou indevidamente “recursos do Estado para fins particulares” e que se apropriou de bens imóveis públicos tendo prejudicado os interesses patrimoniais públicos.

Defesa de Gaspar considera vagos os fundamentos da instrução

O advogado de Diogo Gaspar disse esta quarta-feira que a juíza de instrução devia ter feito uma “análise mais pormenorizada” da prova.

No final da decisão instrutória de levar Diogo Gaspar e mais três arguidos a julgamento, o advogado Soares da Veiga disse que o seu cliente estava “desapontado com a decisão” e considerou que a análise feira pela juíza baseou-se em afirmações “muito genéricas”.

“Não vimos muito detalhe nesta decisão. Vimos um conjunto de afirmações muito genéricas, como as testemunhas não convenceram e os meios de prova não foram suficientes para colocar em causa os indícios que são frases que se vão dizendo neste caso e em muitos outros processos”, afirmou.

O advogado tinha esperança de que nesta fase “houvesse algum passo em frente no sentido da justiça”, lembrando que a juíza Maria Antónia Andrade foi a mesma que mandou deter Diogo Gaspar e que autorizou escutas telefónicas na “operação cavaleiro”.

Na leitura abreviada da decisão, a juíza admitiu que vários dos crimes de que Diogo Gaspar está acusado poderão não se manter em julgamento, lembrando também que o ex-diretor do Museu da Presidência fez um bom trabalho e poupou dinheiro ao Estado.

Porém, alega a juíza, isso não exclui a ilicitude dos factos que são imputados, podendo, contudo, ser ponderado na medida da pena em caso de acusação.

Segundo a acusação, esta quarta-feira confirmada, “está suficientemente indiciado que, entre 2004 e 2016, o arguido que exercia funções no Museu da Presidência da República (MPR) utilizou a sua posição, funções e atribuições e para obter vantagens patrimoniais e não patrimoniais indevidas, em seu benefício e de terceiros”.

Na acusação, o Ministério Público exige a perda a favor do Estado de cerca de 7,8 mil euros, quantia indevidamente recebida pelo principal arguido e a pena acessória de proibição do exercício de funções como funcionário público.

A investigação da ‘Operação Cavaleiro’ teve início em abril de 2015.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)