Rádio Observador

Sporting

O dia em que o Sporting bateu um recorde mas percebeu que não quer bater outro (e perdeu com o Rapperswil-Jona)

279

Sporting perdeu primeiro teste no estágio na Suíça frente ao modesto Rapperswil-Jona, do terceiro escalão helvético (2-1). 46 dias depois da final da Taça, Bruno Fernandes é e continua a ser o melhor.

Bruno Fernandes fez apenas 45 minutos frente ao Rapperswil-Jona, marcando o primeiro golo da pré-temporada de grande penalidade

LightRocket via Getty Images

A notícia até acabou por transformar-se numa surpresa, tendo em conta o contexto recente do clube e o terceiro lugar no último Campeonato, mas a esperança parece mesmo ser verde para os lados de Alvalade: de acordo com os números cedidos pelo clube, esta temporada foi a melhor a nível de renovações de Gameboxes, num número que superou a barreira dos 20 mil (20.675) sem contar com as claques. Também por isso, e numa fase de antecâmara do período de trocas e venda aberta aos sócios, Frederico Varandas, presidente dos verde e brancos, colocou o enfoque da intervenção que teve antes do primeiro particular dos leões na presente pré-época no registo alcançado a nível de lugares anuais, como forma de reconhecimento do trabalho feito.

“Queria dar uma palavra aos sócios do Sporting. Ontem o clube quebrou um recorde que durava há mais de uma década e que é o recorde de venda de renovações de Gameboxes. É a prova dos nove que os sportinguistas acreditam neste Sporting, que se reveem neste Sporting e que estão totalmente mobilizados. Trabalhamos muito diariamente para tornar este Sporting mais competitivo desportivamente mas também para tornar a marca Sporting mais competitiva. Estamos a bater recordes de merchandising, batemos o recorde de de receitas de renovações da Gamebox e muitos outros recordes irão cair. São passos fundamentais para levar este clube a outra dimensão, para continuar a crescer. Esta fantástica massa associativa merece um clube altamente profissional, competente e ambicioso. É só por isso que estamos aqui”, atirou no final do seu discurso.

No entanto, é outro recorde que poderá ou não dar mais ou menos condições ao Sporting para poder lutar pelo título, como se viu de novo no primeiro particular dos leões realizado em terras suíças frente ao Rapperswil-Jona, que desceu na última temporada ao terceiro escalão helvético: a venda ou não de Bruno Fernandes. Porque, resumindo aquilo que foi este teste inicial da formação de Marcel Keizer, tudo continua na mesma em relação à influência do médio 46 dias depois da conquista da Taça de Portugal.

“O que sei e quero deixar essa garantia a todos os adeptos e sócios do Sporting, é que o grupo vai estar pronto para quando chegar o momento, para competirmos, com as nossas ambições, que são muitas. Vamos estar preparados, disso não tenho qualquer dúvida”, referiu Varandas a propósito da eventual saída do capitão leonino, já depois de ter garantido em entrevista à Rádio Observador no dia de aniversário do clube que, caso saísse, o médio ficaria sempre como “a maior transferência de sempre do Sporting”, acima dos 40 milhões de euros pagos pelo Inter por João Mário. “Propostas? Até agora só conversa”, garantiu a 1 de julho.

Com um onze inicial muito parecido com o da última época – não contando ainda assim com Coates, Acuña, Battaglia ou Borja, entre outros – mas com a introdução de dois reforços (o central Neto e o avançado Vietto) e dois jovens da formação (os laterais Thierry Correia e Nuno Mendes), Bruno Fernandes voltou a ser o melhor ao longo dos 45 minutos iniciais deste particular na Suíça frente a um adversário com treinador também ele português, Pedro Silva, que teve passagens por Mafra e 1.º de Dezembro antes de rumar ao estrangeiro. Marcou o único golo, de grande penalidade (13′), esteve nas duas melhores situações ofensivas dos leões com um remate ao lado (4′) e o início de uma jogada onde Bas Dost chegou atrasado (10′), e teve nos pés todo o jogo atacante da equipa entre um Raphinha com bons apontamentos e um Vietto a jogar da esquerda para o meio ainda a tentar entrosar-se com os novos companheiros de equipa em Alvalade.

No segundo tempo, Keizer decidiu mudar por completo a equipa, lançando nomes como Luís Maximiano, Ivanildo Fernandes, Abdu Conté, Matheus Pereira, Gonzalo Plata, os reforços Eduardo e Rafael Camacho e o ainda júnior Eduardo Quaresma. A equipa baixou o nível e a relativa qualidade que conseguiu apresentar no primeiro tempo, sofreu o golo do empate por Elmer Jonas logo a abrir numa descoordenação entre os centrais Tiago Ilori e Ivanildo Fernandes, teve uma bola na trave num grande movimento de Plata de pé esquerdo e ficou mesmo em desvantagem a meio da segunda parte, num lance com muitas hesitações que começou com uma “rosca” para o ar, com Hadzi Merlin a fazer o 2-1 final para o Rapperswil-Jona sozinho na área (68′).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)