A Ordem dos Enfermeiros diz que detetou “situações que colocam em risco a vida de utentes e profissionais” na prisão de Santa Cruz do Bispo, no distrito do Porto, onde existe uma clínica para doentes mentais.

“Na clínica, com lotação para 90 pessoas, estão neste momento 187, sendo que num dos espaços estão 19 pessoas amontoadas, o mesmo espaço onde dormem, comem e fazem as suas necessidades. É manifesto o odor a urina, num cubículo sem distanciamento entre as camas, que são apenas estrados, onde abundam as moscas”, diz a Ordem dos Enfermeiros em comunicado enviado aos meios de comunicação social.

O comunicado surge na sequência de uma visita feita por uma delegação da Ordem à ala masculina dquela prisão após ter recebido denúncias que falavam de “um cenário de caos, falta de profissionais e condições desumanas de higiene e alojamento”.

“Não existe cumprimento de práticas elementares de controlo de infecção, como a higienização de colchões da cama, das mãos ou a simples limpeza dos espaços físicos, o que coloca em risco os reclusos e os profissionais”, afirma o comunicado da Ordem dos Enfermeiros.

“Acresce que as normas de dotações seguras estão também longe de serem cumpridas. Durante a noite há apenas um Enfermeiro para todo o estabelecimento prisional, com 402 pessoas, das quais 187 estão na clínica de doenças mentais”, lê-se ainda na nota.

A Ordem dos Enfermeiros diz que deu conhecimento destas situações à direção do estabelecimento prisional e apela à “implementação urgente de procedimentos de segurança neste estabelecimento”.