Gerard Piqué perdeu a batalha contra a Agencia Tributaria espanhola e vai mesmo ter de pagar os 2,1 milhões de euros relativos a multas e impostos atrasados referentes aos anos de 2008, 2009 e 2010. De acordo com o El País, o defesa central do FC Barcelona viu a Audiencia Nacional negar o recurso que este tinha interposto junto do Tribunal Económico Administrativo Central (TEAC), que o tinha condenado por aquilo que a Hacienda considerava ser uma fuga ao fisco — Piqué terá simulado que cedia os seus direitos de imagem à empresa (também ela sua) Kerad Project 2006 para pagar menos às finanças.

Apesar desta decisão que obriga o futebolista a pagar 1.457.855,61 euros dos tais impostos atrasados, mais 678.012,59 euros em multas, o marido da cantora Shakira (ela que também está a ter problemas com o fisco espanhol, que a acusa de uma fraude de 14,5 milhões de euros) ainda pode voltar a recorrer junto do Supremo espanhol.

De acordo com o mesmo jornal, este assunto nasce no ano de 2013 quando a Agencia Tributaria de Cataluña revê a declaração de impostos que Piqué entregou em 2008, 2009 e 2010 e percebe que o jogador do Barcelona tinha canalizado os seus rendimentos relativos aos direitos de imagem através de uma empresa, de forma a pagar impostos corporativos (de 30%) em vez de pessoais (já são 45%). Na altura, a Agencia Tributaria percebeu que havia “um contrato celebrado entre Piqué e a entidade Kerad Project 2006, onde o primeiro cedeu ao segundo os seus direitos de imagem” — algo que afinal, tudo indica, foi simulado.

O jogador rapidamente decidiu partir para a via judicial através do Tribunal Económico Administrativo Central (TEAC) mas em 2016 acabou por perder. A este primeiro momento seguiu-se o recurso junto da Audiencia Nacional onde Piqué afirmava que o tal contrato celebrado em 2006 entre ele e o Kerad Project 2006 (empresa  onde é o único acionista), não foi uma simulação. Os magistrados rapidamente refutaram as suas tentativas de esclarecimento, principalmente ao recordar que o atleta continuava a celebrar contratos que incluíam a venda de direitos de imagem, apesar do jogador já os ter “entregue” em junho de 2006 à tal Kerad Project. Como prova dessa apresentaram um contrato assinado com a Nike nesse mesmo ano; outro feito com a agência de representação IMG, no ano seguinte; e ainda mais outro, em 2008, quando o catalão deixa o Manchester United para regressar ao Barcelona.