Rádio Observador

Festivais

Festival internacional de música junta mais de 50 alunos em aldeia do Sabugal

Anunciado nesta quinta-feira, a quarta edição do festival que decorre entre o domingo e o dia 21, e contará com aulas, 'masterclasses', ensaios e concertos.

"Este ano, esperam-se mais de 50 alunos que vêm de todas as partes do país e de conceituadas escolas de música nos Estados Unidos", referiu a organização

MIGUEL PEREIRA DA SILVA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A aldeia de Bendada, no concelho do Sabugal, recebe, a partir de domingo, a quarta edição de um festival internacional de música que junta, durante uma semana, mais de 50 alunos, foi anunciado nesta quinta-feira.

O Bendada Music Festival vai decorrer entre domingo e o dia 21, com um programa que inclui aulas, ‘masterclasses’, ensaios e concertos.

“Na sua quarta edição, o Bendada Music Festival continua a crescer. Este ano, esperam-se mais de 50 alunos que vêm de todas as partes do país e de conceituadas escolas de música nos Estados Unidos, como a Boston University, o Project STEP e a Merit School of Music, em Chicago”, refere a organização em comunicado enviado à agência Lusa nesta quinta-feira.

Segundo a fonte, para além destes alunos, que integram o Curso de Aperfeiçoamento Musical e o Curso de Introdução à Música, o festival inclui “um Coro para adultos, onde grande parte dos habitantes da aldeia participa e, este ano, pela primeira vez, vai ser realizado um estágio para os alunos da Sociedade Filarmónica Bendadense”.

Entre alunos, professores e voluntários, o evento que tem por palco a aldeia de Bendada, no concelho do Sabugal, distrito da Guarda, envolve mais de uma centena de pessoas.

“O corpo docente do festival é constituído por professores com carreiras internacionais nos seus respetivos instrumentos, que se dedicam também de uma forma muito especial ao ensino da música”, é anunciado.

Inês Andrade e Edoardo Carpenedo (piano), Erica Carpenedo (violino), Yoni Battat (viola), Gracie Keith (violoncelo), Margarida Quítalo (flauta), Rui Ferreira (clarinete), Diogo Andrade (guitarra) e António Lourenço Menezes (canto) formam o grupo de professores.

A fonte refere que, pela primeira vez, vão participar dois professores convidados: o pianista Miguel Henriques (professor de piano e diretor da Escola Superior de Música de Lisboa) e Wendy Swart Grossman (professora de Empreendedorismo Cultural na Boston University, que vai orientar um ‘workshop’ intitulado “Artist as entrepreneur”).

No âmbito da iniciativa serão realizados concertos na Bendada e em outros locais da região.

Os alunos e professores do festival apresentam-se no café concerto do Teatro Municipal da Guarda (segunda-feira, 21h30), na igreja matriz de Bendada, (quarta-feira, 21h), no castelo de Belmonte (dia 18, 18h) e no castelo do Sabugal (dia 19, 21h30).

A Bendada recebe ainda os concertos de encerramento das diversas valências do festival: Curso de Introdução à Música (dia 20, 18h), Estágio da Sociedade Filarmónica Bendadense (dia 20, 21h30) e Curso de Aperfeiçoamento Musical (dia 21, 18h).

Fundado pela pianista Inês Andrade, em 2016, o Bendada Music Festival já levou à aldeia de Bendada “várias dezenas de alunos e músicos conceituados de diversas nacionalidades, sobretudo do continente americano e de vários países europeus”, lembram os promotores.

O evento internacional tem como principais patrocinadores e parceiros a Câmara Municipal do Sabugal, a Junta de Freguesia da Bendada, a Sociedade Filarmónica Bendadense, a Associação Malcata com Futuro, as Câmaras Municipais de Belmonte e da Guarda e a Escola de Música de Belmonte, entre outros.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Racismo

Portugal não era nem é racista

João Pedro Marques

Será o racismo um problema real, tanto no tempo de Vasco Santana como agora, ou foi a nossa noção de racismo que mudou a tal ponto que tendemos a chamar racismo a coisas que o não eram e o não são? 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)