Rádio Observador

Crime

Hells Angels. Ministério Público acusa 89 arguidos de tentativa de homicídio e dano com violência

Acusação concluída um ano depois da primeira detenção de meia centena de motards. Todos os arguidos vão responder por quatro crimes de tentativa de homicídio. Há ainda quem esteja acusado de agressão.

FREDRIK VON ERICHSEN/EPA

O Ministério Público (MP) acusou 89 motards do grupo Hells Angels de quatro crimes de homicídio qualificado na forma tentada e de dano qualificado com violência. Há ainda arguidos acusados de ofensas às integridade física e de roubo. Pelo menos dois arguidos agora acusados estão na Alemanha a aguardar extradição e um está em parte incerta. Durante a investigação as autoridades recolheram material que permite descrever como a organização funciona, através das atas das reuniões e de documentos que descrevem algumas das suas atividades e expulsões. Foi mesmo encontrado um relatório confidencial da Europol que relatava todas as atividades do grupo no país, na Europa e no Mundo.

São mais de 500 páginas de um despacho de acusação concluído exatamente um ano após as primeiras 50 detenções do grupo que foi investigado pela PJ e em que é descrita toda a organização da estrutura de motards, as suas regras e os crimes que cometeram nos últimos anos. A acusação vai ser traduzida em cinco línguas: inglês, alemão sueco, holandês e romeno, para que todos os arguidos compreendam os crimes de que são acusados. Logo no início do documento, o MP anuncia que ainda foram investigados os crimes de detenção de arma proibida, tráfico de armas, de droga e associação criminosa e branqueamento em relação a três arguidos que abandonaram o país pouco depois do início da investigação. Mas que nada se provou, por isso em relação a eles o processo acabou arquivado, lê-se no documento a que o Observador teve acesso.

Em comunicado, a Procuradoria-Geral da República anunciou que foram acusados 89 arguidos “dos crimes de associação criminosa, homicídio qualificado, na forma tentada, ofensa à integridade física qualificada, extorsão qualificada, dano qualificado com violência, roubo, tráfico de estupefacientes, detenção de armas e munições proibidas, bem como consumo de estupefacientes”.

Os arguidos pertencem aos Hells Angels Motorcycle Club e já estavam a ser investigados quando, a 24 de março de 2018, se dirigiram ao restaurante “Mesa do Prior”, em Loures, munidos de facas, machados, bastões e outros objetos perfurantes.

No interior desse estabelecimento, os arguidos tentaram matar quatro ofendidos e feriram gravemente seis outros”, lê-se no comunicado.

O alvo dos agressores era um grupo motard rival, Los Bandidos, que acabara de nascer em Portugal pelas mãos do neonazi Mário Machado, que tinha saído da prisão há pouco tempo. No restaurante, diz o MP, arguidos provocaram estragos no valor de, pelo menos, 14.450 euros. Duas outras vítimas focaram sem mota. Três meses depois os arguidos atacaram outro elemento do grupo com um “‘boxer’ e pontapés na cara, na cabeça, no tronco, nos braços e nas pernas”. Depois roubaram-lhes os bens pessoais.

A PJ apreendeu-lhes armas, dinheiro e droga. O primeiro grupo de cerca de 60 arguidos foram detidos há um ano, os restantes foram sendo detidos nos últimos meses conforme foram avançando as investigações. Neste momento, em que foi proferida a acusação, o processo tem três outras investigações que lhe foram juntas, conta com 56 volumes, 11 apensos “principais”, 92 apensos relativos a buscas domiciliárias e não domiciliárias e 17 apensos com escutas telefónicas.

Dos 89 arguidos acusados, 37 encontram-se em prisão preventiva, cinco estão presos em casa com vigilância eletrónica e dois estão presos na Alemanha, a aguardar extradição para Portugal. Os restantes estão obrigados a apresentações periódicas e proibidos de certos comportamentos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ssimoes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)