Três barcos iranianos terão tentado apreender um petroleiro britânico no Estreito de Ormuz, mas retiraram-se após um aviso do navio de guerra HMS Montrose, confirmou o Ministério da Defesa britânico à Sky News. Informação que o Irão já veio desmentir.

O episódio levou o governo a admitir em comunicado que o Reino Unido estava “preocupado” e a pedir para “reduzir a tensão na região”: “O HMS Montrose foi forçado a posicionar-se entre as embarcações iranianas e a British Heritage e emitir advertências verbais aos navios iranianos, que então se afastaram. Estamos preocupados com esta ação e continuamos a pedir às autoridades iranianas que reduzam a tensão na região”, disse o governo em comunicado.

Segundo esse mesmo comunicado, citado pela Sky News, violando as normas “do direito internacional, três navios iranianos tentaram impedir a passagem de uma embarcação comercial, a British Heritage, através do Estreito de Ormuz”. O número de navios iranianos envolvidos foi assim atualizado, já que as autoridades americanas tinham contabilizado cinco navios — e não três — nas primeiras declarações de militares dos Estados Unidos.

Entretanto, a Guarda Revolucionária do Irão negou esta quinta-feira ter tentado impedir que o petroleiro britânico cruzasse o estreito de Ormuz, de acordo com um comunicado divulgado pela agência de notícias Sepah News. “Não houve qualquer confronto com navios estrangeiros, incluindo britânicos, nas últimas 24 horas”, garante o Irão.

Segundo a Sky News, na versão americana do episódio, “a Marinha Real Britânica HMS Montrose, que também estava lá, apontou as suas armas para os barcos e advertiram-nos pelo rádio, altura em que dispersaram”: “Foi um assédio e uma tentativa de interferir com a passagem”, acusaram os oficiais norte-americanos.

O HMS Montrose está a proteger os navios britânicos no Estreito de Ormuz porque os iranianos tinham ameaçado apreender embarcações britânicas naquela região depois de os Royal Marines — fuzileiros da Marinha do Reino Unido — terem ajudado a apreender um navio-tanque do Irão em Gibraltar. A apreensão aconteceu por suspeitas de que esse navio-tanque levava petróleo para a Síria, um transporte que viola as sanções da União Europeia.

“Tu foste o iniciador da insegurança e vais aperceber-te das consequências mais tarde”, disse Hassan Rohani, presidente do Irão, dirigindo-se ao Reino Unido.