Rádio Observador

António Costa

Costa elogia “casamento” entre Câmara de Lisboa e Santa Casa no tempo de Santana

"Esse casamento tem persistido com a mudança do presidente da Câmara e do provedor da Santa Casa da Misericórdia. Isso é o melhor sinal", afirmou Costa. O PM diz ainda que o casamento é "promissor".

STEPHANIE LECOCQ/EPA

O primeiro-ministro elogiou esta sexta-feira os resultados para o sistema de saúde na sequência do “casamento” entre Câmara de Lisboa e Santa Casa da Misericórdia no tempo em que Santana Lopes assumiu as funções de provedor.

António Costa assumiu esta posição na cerimónia de inauguração da unidade de cuidados continuados integrados de São Roque, no Hospital Pulido Valente, em Lisboa – uma unidade que será coordenada pela antiga ministra da Saúde Ana Jorge e que terá capacidade para 44 camas. Segundo dados da construtora Teixeira Pinto e Duarte, empresa de Amarante, a obra custou cerca de três milhões de euros e prolongou-se por oito meses e meio.

“Este é um momento importante, porque se avança com um dos pilares fundamentais daquilo que é preciso fazer-se no Serviço Nacional de Saúde (SNS). Claro que é preciso suprirem-se as falhas do SNS, reforçá-lo e robustecê-lo, mas também é preciso fazer diferente em duas linhas: Desenvolver uma rede de cuidados de saúde primários com novas valências e uma rede de cuidados continuados integrados”, declarou o primeiro-ministro.

Nesta estratégia de diversificação da oferta do SNS, António Costa considerou essencial “a existência de um grande esforço de trabalho em rede e em parceria” para que existam novas respostas.

“Esta parceria com a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa é particularmente relevante, porque nesta região do país [Lisboa] as carências são paradoxalmente acentuadas. Mas é também particularmente relevante porque representa um sinal do fim de um divórcio de muitas décadas entre a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa e o município de Lisboa”, disse.

António Costa elogiou então o papel desempenhado pelo antigo primeiro-ministro e atual líder da Aliança, Pedro Santana Lopes, falando do “casamento que se estabeleceu [ainda na presente legislatura] no tempo em que um ex-presidente da Câmara de Lisboa foi provedor da Santa Casa da Misericórdia”.

“Esse casamento tem persistido com a mudança do presidente da Câmara de Lisboa e do provedor da Santa Casa da Misericórdia. Isso é o melhor sinal, porque significa que a mudança institucional está consolidada e já não depende das vicissitudes de quem exerce as funções, não obstante as duas instituições estarem excelentemente entregues”, observou.

O primeiro-ministro caracterizou mesmo esse “casamento” como “muito promissor, porque ainda há muito para se fazer em conjunto e o desafio que está pela frente é imenso e será crescente”.

Na cerimónia, os primeiros discursos pertenceram ao presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, e ao provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, Edmundo Martinho. Fernando Medina destacou a implementação de mais unidades de cuidados continuados integrados em oito espaços da cidade, enquanto Edmundo Martinho, salientou “a forma virtuosa de partilha de responsabilidades para aumentar a capacidade de resposta instalada”.

A ministra da Saúde, Marta Temido, defendeu a necessidade de parcerias entre os diferentes setores público, social e mutualista, tendo em vista darem-se “respostas mais eficientes”, e apontou entre os principais desafios a capacidade de estas unidades manterem os doentes sem necessidade de novos internamentos hospitalares.

Já em declarações aos jornalistas, Marta Temido reconheceu que é preciso “maior velocidade para aumentar a capacidade de resposta”, mas referiu que no ano passado o número de camas era já de 8888.

“No dia 31 de dezembro de 2018, foram autorizadas mais 307. Agora, com o despacho de hoje, temos um reforço de 446”, acrescentou.

A seguir à intervenção de Marta Temido, o ministro da Segurança Social, Vieira da Silva, afirmou que estas parcerias ao nível de cuidados de saúde “são das mais inovadoras e que mais se enraizaram na sociedade portuguesa”.

“Nesta rede, participam entidades públicas, privadas e do setor social. Todas têm o mesmo objetivo”, acentuou Vieira da Silva.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

Uma história de hipocrisia /premium

Paulo Tunhas
431

António Costa precisa, quanto mais não seja por causa da dúbia origem do seu poder, de afirmar constantemente a sua autoridade. Daí também ter encenado um espectáculo sem par.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)