Rádio Observador

Wimbledon

Djokovic enviou Bautista para a despedida de solteiro em Ibiza – mas o espanhol não esquecerá este casamento com Wimbledon

Djokovic confirmou o favoritismo e garantiu o apuramento para a final de Wimbledon, após vencer a surpresa da prova, Roberto Bautista, em quatro sets. Mas o espanhol continua com razões para sorrir.

Novak Djokovic repete presença na final pela quarta vez nos últimos seis anos depois do triunfo no ano passado frente a Kevin Anderson

AFP/Getty Images

Os principais torneios mundiais de ténis foram vendo os anos passar por Novak Djokovic, Rafael Nadal e Roger Federer como se nada fosse e o trio voltou a dar uma prova cabal de como a Next Gen ainda terá de esperar algum tempo até dar o passo em frente na sua afirmação. No entanto, como na própria história, há sempre espaço para um quarto mosqueteiro e em Wimbledon foi o espanhol Roberto Bautista que representou esse papel. Na meia-final, o protagonismo que teve ao longo de quase duas semanas caiu frente a um Djokovic ao melhor nível. Mas todos acabaram com razões para sorrir.

No primeiro jogo do dia, o número 1 do ranking mundial não deu hipóteses apesar de ter cedido ainda um set, terminando com a vitória por 6-2, 4-6, 6-3 e 6-2 que lhe valeu a sexta final em Wimbledon – onde irá procurar a quinta vitória, depois dos sucessos em 2011, 2014, 2015 e 2018 (perdeu apenas um jogo decisivo com Andy Murray, em 2013). No lado de Bautista, que chegou pela primeira vez a uma meia-final de um Grand Slam depois de já ter atingido os quartos no Open da Austrália no início do ano, este não deixa de ser o melhor resultado da carreira aos 31 anos e que lhe valerá uma subida na classificação do ATP.

Ainda assim, o espanhol tão cedo não esquecerá este “casamento” com Wimbledon onde ficou à beira de se tornar no terceiro jogador do país a chegar à final do torneio inglês, depois de Manuel Santana e Rafael Nadal: como o próprio Bautista contou após o triunfo frente a Pella nos quartos, já tinha passagens e estadia marcada em Ibiza com seis amigos para a sua despedida de solteiro, algo que acabou por adiar pelo sucesso desportivo… e com mais de 500 mil euros de prémio pela primeira meia-final da carreira, com a curiosidade de ter em Grand Slams melhores resultados na relva e em piso rápido do que na terra batida.

Agora, Djokovic, que esta temporada já tinha perdido duas vezes com Bautista em piso rápido (Doha e Miami), fica à espera do vencedor do jogo grande desta fase entre Roger Federer e Rafa Nadal – com a particularidade de já ter derrotado o suíço (2014 e 2015) e o espanhol (2011) no encontro decisivo no All England Club sem qualquer derrota a registar pelo meio. E o sérvio já assumiu que quer ver esse duelo… também por ser um amante de ténis. “Também sou um fã deste duelo. Federer-Nadal é uma das rivalidades mais épicas de todos os tempos e vai ser fantástico poder ver o jogo deles”, assumiu.

De acrescentar que Djokovic aumentou para 12-1 o registo recente em meias-finais do Grand Slam, tendo sido apenas derrotado por Dominic Thiem na última edição de Roland Garros que acabaria por ser ganha por Rafa Nadal pela 12.ª vez. Esta será a 25.ª final do atual melhor do mundo em Majors, tendo um registo positivo de 14 vitórias e dez derrotas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)