Rádio Observador

Migrantes

“É possível, se nos juntarmos, mudar o rumo das coisas”. Miguel Duarte angariou 55 mil euros na sua campanha

311

A angariação começou dia 7 de julho e terminou esta sexta-feira com cinco vezes mais o valor pedido. Dinheiro será usado para despesas do processo. "Voltava já amanhã se pudesse", diz o voluntário.

Miguel Duarte está a ser investigado em Itália por alegado auxílio à imigração ilegal

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Em pouco mais de um mês, Miguel Duarte, o português investigado em Itália por alegado auxílio à imigração ilegal, conseguiu mobilizar milhares de pessoas e impor o tema da criminalização da solidariedade na agenda mediática e política.

O pontapé de partida foi dado a 7 de junho com a campanha de crowdfunding lançada pela plataforma HuBB – Humans Before Borders para apoiar a defesa do estudante português, que chegou esta sexta-feira ao fim às 18h00, com 54.732 euros angariados, cinco vezes mais do que o valor inicialmente pedido. Os donativos vieram de 2959 cidadãos para quem “salvar vidas não é crime”.

Em declarações à Lusa, Miguel Duarte agradeceu a solidariedade e sublinhou que Portugal é “único na Europa” apontando o apoio político dado pelo primeiro ministro, António Costa, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa e vários líderes partidários que se mostraram solidários com o jovem de 26 anos.

É espetacular, é muito inesperado para nós o apoio que temos tido, ao nível institucional e de pessoas individuais. Tivemos milhares de pessoas que decidiram manifestar o seu apoio não só com contribuições para a campanha, mas também com declarações públicas de apoio à nossa causa”, disse o voluntário da organização não-governamental alemã Jugend Rettet

Considerou ainda “absolutamente decisivo, num caso que é político, antes de ser judicial” poder contar com o apoio da sociedade civil: “Diria que é único na Europa ter a opinião pública tão consensual no apoio a esta causa”

Para Miguel Duarte, o “apoio inequívoco” das mais altas figuras do Estado português “é extremamente importante e, de alguma forma, inesperado” tendo em conta a situação política atual da União Europeia.

Embora o apoio à ajuda humanitária seja “o mínimo que se espera de um estado democrático”, Miguel Duarte acredita que a política europeia face aos refugiados não vai ter alterações significativas com a entrada em funções dos novos líderes. “Não penso que os resultados tenham sido muito favoráveis nesse aspeto, no entanto acho que conseguimos alterar o rumo das coisas se a sociedade civil se manifestar e indignar. É possível, se nos juntarmos e se nos indignarmos em conjunto, mudar o rumo das coisas”, desejou.

Miguel Duarte espera ser absolvido e garante que “voltava já amanhã” a uma nova missão se pudesse, embora tenha de aguardar o desfecho do processo.

A minha participação em projetos de ajuda humanitária vai depender do resultado deste processo legal. É preciso esperar para ver o que vai acontecer. No entanto, no dia em que formos absolvidos vamos pensar seriamente em voltar ao mar. Era esse o nosso trabalho, é isso que sabemos e queremos fazer. Se pudesse voltava amanhã”, garantiu à Lusa.

Miguel Duarte é um dos dez elementos do Iuventa, um navio pertencente à organização não-governamental (ONG) alemã de resgate humanitário no Mediterrâneo, Jugend Rettet, que está a ser investigado em Itália por alegado auxílio à imigração ilegal, um crime que prevê até 20 anos de prisão.

Em Portugal, o jovem conta com o apoio jurídico pro bono da sociedade Carlos Pinto de Abreu e associados e está a ser acompanhado por uma equipa legal transeuropeu liderada em Itália pelo advogado Nicola Canestrini.

O dinheiro angariado pelo crowdfunding vai ser usado para financiar os custos relacionados com este processo legal, desde as custas judiciais ao pagamento de viagens para fazer contactos institucionais e discutir questões legais com os restantes intervenientes, que são de cinco países.

Os tripulantes do Iuventa já foram constituídos arguidos, mas ainda não sabem se o caso irá a julgamento. “Fomos constituídos arguidos há cerca de um ano e estamos à espera que saia uma acusação formal ou que o caso seja arquivado”, adiantou.

O caso de Miguel Duarte não é único. Um estudo da ReSOMA (Plataforma Social de Investigação sobre Migração e Asilo), datado de junho, revelou que pelo menos 158 pessoas foram investigadas ou formalmente acusadas por auxílio humanitário em 11 países europeus, entre 2015 e 2018, sobretudo em Itália, Grécia e França.

“O nosso caso não é único, há muita gente numa situação semelhante à nossa e não é só Itália que está a fazer este tipo de acusações. Já houve pessoas presas na Grécia durante meses com acusações absurdas”, lamentou.

Aluno de doutoramento em Matemática do Instituto Superior Técnico, o português começou a colaborar com a ONG alemã em 2016 e participou em quatro missões (cada uma com uma duração de três semanas), além de ter estado cerca um mês e meio a ajudar nas reparações do navio num estaleiro de Veneza, Itália.

A HUBB vai assinalar o fim da campanha com um novo vídeo para agradecer os donativos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)