O atual eurodeputado social-democrata Álvaro Amaro, que foi presidente da Câmara da Guarda, é suspeito de ter cometido ilegalidades quando estava à frente da autarquia, tendo sido constituído arguido no processo Rota Final. Foi ouvido pela PJ e sujeito ao pagamento de uma caução de 40 mil euros, mas acabaria por tomar posse na mesma, no passado dia 2 de julho, como deputado do Parlamento Europeu. Esta sexta-feira, a SIC avança com mais um pormenor da história: uma funcionária do hospital da Guarda foi apanhada a destruir, na secção de pessoal do hospital, dezenas de documentos relativos à câmara municipal. Relação entre os dois casos? A funcionária é mãe da então secretária pessoal de Álvaro Amaro na autarquia. De acordo com o JN, trata-se de Ana Maria Paixão, mãe de Catarina Paixão, ex-secretária de Amaro.

Segundo conta a SIC, a chefe daquele serviço do hospital deu conta da eliminação de papéis e, quando se apercebeu que eram alheios à instituição de saúde, reportou à administração do hospital. O episódio seguiu para a PJ, que foi chamada ao local e que recolheu todos os documentos retalhados numa tentativa de os reconstruir. Segundo a mesma estação televisiva, a PJ acredita agora tratar-se de contratos e de troca de correspondência relativa à câmara da Guarda.

A funcionária do hospital ainda não foi chamada pela PJ, mas sabe-se pelo menos que é mãe de uma antiga secretária da presidência da Câmara da Guarda. O elo familiar terá sido o suficiente para a PJ estar a equacionar a possibilidade de ter havido tentativa de destruição de provas e obstrução à justiça numa altura em que a gestão da autarquia está sob suspeita.

No passado dia 12 de junho, a Polícia Judiciária realizou buscas a 18 câmaras municipais do Norte e Centro de Portugal, sendo a operadora de transportes públicos Transdev também uma das visadas. Entre essas câmaras estava a câmara da Guarda. “A investigação visa esclarecer os termos em que o Grupo Transdev obteve contratos e compensações financeiras com autarquias das zonas Norte e Centro do país”, dizia-se na altura.

Em causa estão indícios de tráfico de influência, participação económica e corrupção, entre outros crimes.

A notícia foi editada a 22 de julho com o nome da funcionária do hospital e da ex-secretária de Álvaro Amaro, revelado pelo JN. A versão original deste artigo foi objecto de um direito de resposta que pode ler aqui.