Rádio Observador

Guiné-Bissau

Novo ministro guineense conta com Portugal para “refundar ou reabilitar” sistema educativo

O pedido de apoio é motivado pelas semelhanças entre os sistemas do ensino dos dois países e também pelo interesse comum no desenvolvimento da língua portuguesa.

Espera-se cooperação nas áreas de gestão e administração do sistema, melhorias na prática pedagógica, monitorização e avaliação

LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O novo ministro da Educação da Guiné-Bissau, Dautarim da Costa, disse à Lusa que conta com Portugal para a “refundação ou reabilitação” do sistema educativo do país, que considerou estar num processo acelerado de degeneração.

Formado em Sociologia no ISCTE, em Lisboa, Dautarim da Costa, 38 anos, antevê uma relação estreita com Portugal, tendo em conta as semelhanças entre os sistemas do ensino dos dois países e também o interesse comum que os dois estados têm no desenvolvimento da língua portuguesa.

“Tem a questão da língua portuguesa, o nosso sistema é muito parecido ao sistema português, nós conseguimos comunicar, naquilo que são as dinâmicas do sistema educativo, de uma forma muito facilitada com o sistema português”, observou o ministro guineense.

Dautarim da Costa, até aqui quadro sénior das Aldeias SOS na Guiné-Bissau, disse à Lusa constatar a existência de “uma predisposição natural” entre a Guiné-Bissau e Portugal, devido aos interesses dos dois países em almejar o desenvolvimento dos seus povos.

“Creio que Portugal vai ser um parceiro importante. Agora nós é que temos que ter a capacidade, a nível do ministério, de conceber as oportunidades, conceber ideias que possam gerar as oportunidades que nós precisamos”, sublinhou Dautarim da Costa.

Entre as áreas que poderão merecer destaque na cooperação imediata com Portugal, o governante guineense apontou a gestão e administração do sistema educativo, melhorias na prática pedagógica, monitorização e avaliação do sistema, tudo na perspetiva de refundação ou de reabilitação do próprio sistema, defendeu.

Dautarim da Costa considera que, tal como Portugal, vários parceiros estão dispostos a apoiar a Guiné-Bissau, a questão, frisa, é que o próprio país é que não tem sabido conceber políticas e estratégias de atração e absorção de apoios disponíveis.

“Às vezes, falta é a capacidade de coordenarmos e articularmos as oportunidades que vão surgindo”, declarou o ministro, salientando ser crucial que os parceiros tenham a noção de que os guineenses “sabem exatamente o que querem”.

Em relação ao funcionamento imediato do sistema educativo, Dautarim da Costa elege como prioridade “a salvação do ano letivo”, na sequência de várias greves dos professores, situação que tem dificultado o cumprimento integral dos conteúdos programados para os alunos.

Devido às greves, dos 180 dias letivos previstos, os alunos das escolas públicas apenas tiveram, efetivamente, cerca de 70 dias de aulas.

O plano de salvação do ano consiste em identificação dos conteúdos essenciais de cada disciplina, garantir a sua implementação, aferir como foram administrados e desta forma proceder à avaliação final dos alunos, declarou Dautarim da Costa. Tudo isso terá que ser feito sem pôr em causa o próximo ano letivo, que o ministro pretende que comece antes do mês de outubro.

A outra missão imediata, disse o ministro, é estabelecimento de “outra forma de relacionamento” com os sindicatos dos professores.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)