Rádio Observador

Venezuela

António Costa manifesta solidariedade aos portugueses na Venezuela

O primeiro-ministro lembrou como as "convulsões políticas" têm perturbado a segurança na Venezuela e manifestou a sua solidariedade à comunidade portuguesa, pelas dificuldades que tem passado.

O chefe do Governo lembrou o "grande esforço" que as autoridades portuguesas têm feito num "contexto muitíssimo difícil"

RODRIGO ANTUNES/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O primeiro-ministro, António Costa, manifestou este sábado a sua solidariedade à comunidade portuguesa a viver na Venezuela pelas dificuldades que tem passado nos últimos anos, lembrando como as “convulsões políticas” têm perturbado a sua segurança.

Permitam-me dar uma palavra especial de solidariedade a todas e a todos aqueles que integram a comunidade portuguesa na Venezuela pelas dificuldades que tem passado nestes últimos anos”, afirmou na abertura do I Congresso Mundial de Redes da Diáspora Portuguesa, no Porto, que conta também com a presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

O chefe do Governo lembrou o “grande esforço” que as autoridades portuguesas, designadamente o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, têm feito num “contexto muitíssimo difícil” para manter o essencial, ou seja, a segurança dos portugueses.

“O essencial é garantir, mesmo a esta distância, que Portugal está cá para garantir a segurança dos portugueses, estejam eles onde estiverem”, referiu.

O primeiro-ministro recordou como as “convulsões políticas” na Venezuela têm perturbado a segurança, o futuro e o trabalho de uma vida inteira entre a comunidade portuguesa.

Segundo dados do Governo, estão registados nos consulados da Venezuela cerca de 180.000 portugueses, mas estima-se que o total de portugueses e lusodescendentes no país possa ultrapassar os 300 mil.

A Venezuela atravessa uma grave crise económica e social, encontrando-se num impasse político desde janeiro deste ano, quando Juan Guaidó, presidente da Assembleia Nacional, se autoproclamou Presidente interino, alegando falta de legitimidade de Nicolás Maduro, reeleito em 2017.

As “vicissitudes políticas” trouxeram também a “angústia e a incerteza” aos compatriotas que residem no Reino Unido devido ao ‘brexit’.

“E, nesse sentido, tem sido muito importante o trabalho que, para além do quadro das negociações entre a União Europeia e o Reino Unido, temos estabelecido diretamente de uma relação bilateral com as autoridades britânicas”, salientou.

Costa revelou que na sexta-feira o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas assinou com a Câmara de Londres um acordo de apoio específico à comunidade portuguesa e às suas necessidades.

“Também aqui nós temos de dizer que estamos sempre presentes. É nos momentos de grande dificuldade que a palavra solidariedade ganha importância e maior sentido”, acrescentou.

Segundo os dados do Governo, mais de 69 mil portugueses pediram já o estatuto de residente no Reino Unido, devido à saída daquele país da União europeia, e foi-lhes concedido.

O primeiro-ministro realçou também hoje que os últimos anos têm demonstrado como as alterações climáticas têm aumentado os riscos de catástrofe e, como muitas vezes, tem sido necessário acorrer às comunidades portuguesas, lembrando as vítimas da catástrofe nas Caraíbas.

Tem sido consensual na vida política portuguesa, desde os momentos fundadores até hoje, que a política das comunidades portuguesas é um eixo central da política externa, vincou.

SVF/ACG // FPA

Lusa/Fim

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Socialismo

Má-fé socialista /premium

José Miguel Pinto dos Santos
780

Não é a situação social em Portugal muito melhor que na Venezuela — e que nos outros países socialistas? Sim, mas quem está mais avançado na implantação do socialismo, Portugal ou Venezuela?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)