Rádio Observador

Defesa

Marcelo diz que “é bom haver núcleo duro” de defesa na Europa

Presidente da República diz que um núcleo duro de defesa de países europeus com capacidades reforçadas "é bom" e que Portugal "tem capacidade para dar a sua opinião", devido à posição geoestratégica.

ESTELA SILVA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Presidente da República considera que um núcleo duro de defesa de países europeus com capacidades reforçadas “é bom” e que Portugal “tem capacidade para dar a sua opinião”, devido à posição geoestratégica e ao envolvimento em missões militares.

“É bom haver um núcleo duro que defenda uma capacidade reforçada de atenção em termos de terrorismo, segurança, defesa, mas também de diálogo com os países vizinhos, e que faça a ponte com o Reino Unido”, disse o Presidente da República, em declarações aos jornalistas em Paris, lembrando que a possibilidade do ‘Brexit’ nos próximos meses torna ainda mais urgente este tema.

O Presidente da República chegou este sábado à noite à capital francesa para participar no domingo no tradicional desfile militar do Dia da Bastilha, que este ano vai dar ênfase especial à Iniciativa Europeia de Intervenção, uma força coordenada pela França que reúne 10 países europeus, incluindo Portugal.

“Portugal tem, pela sua posição geoestratégica e pelo conhecimento que tem do Sul da Europa, mas pela sua presença quer no Oeste, quer no Báltico, capacidade para dar a sua opinião junto de outros países que aqui estarão”, afirmou o chefe de Estado.

Além de Portugal, a França convidou representantes da Alemanha, Bélgica, Dinamarca, Espanha, Estónia, Finlândia, Holanda, Portugal e Reino Unido para se juntarem ao seu maior desfile anual. Após o desfile, haverá também um almoço, onde aquela iniciativa será discutida.

“[O que é importante tratar nessa iniciativa é] Saber como a iniciativa se liga com a NATO, com o resto dos membros da União Europeia, que tipo de intervenções pode vir a ter. A Portugal interessa tudo o que tem a ver com a atenção ao Sul da Europa, as relações com África, o fomentar dessas relações e ver, em termos de cooperação económica e social, uma atenção especial a África”, indicou Marcelo Rebelo de Sousa.

O Presidente defendeu ainda, tal como já tinha feito anteriormente, que “Portugal entende que não se coloca a questão de um exército europeu”.

Além da participação do Presidente da República, que ficará na tribuna de honra, junto ao seu homólogo francês, Emmanuel Macron, Portugal vai ter mais quase 30 militares a participarem no desfile em Paris, com representação dos três ramos das Forças Armadas nacionais.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)