O número de casos detetados de doenças sexualmente transmissíveis (DST) como gonorreia, sífilis e clamídia aumentou 33% em 2018 face a 2017, em 2558 registos, avança o Jornal de Notícias. Mas a subida não se deu só entre as classes etárias mais jovens — onde a incidência é maior. As DST estão também a aumentar entre as pessoas com mais de 65 anos. A Direção-Geral da Saúde (DGS) está a “estudar e a acompanhar” o fenómeno.

Segundo dados facultados ao Jornal de Notícias pela DGS,  as notificações de gonorreia foram as que mais subiram — um aumento de 47% para 966 casos, 7 dos quais em pessoas com mais de 65 anos. É a sífilis que tem mais ocorrências (993), com a faixa etária acima dos 65 anos a registar mais casos do que a dos 55-64. Segundo a DGS, foram notificados 36 casos de pessoas com mais de 75 anos com esta DST. A DGS admite que estes números possam estar relacionados com a maior oferta de rastreios junto das “populações mais vulneráveis e em maior risco de contrair este tipo de infeções”.

“Perante o panorama nacional e internacional”, a DGS tem “peritos nacionais a estudar e a acompanhar a sua evolução e emitirá as recomendações necessárias”.