Rádio Observador

Luís Marques Mendes

Marques Mendes sobre Pacote da Transparência. “É uma nódoa muito negra na atuação dos partidos”

Comentador da SIC criticou a oportunidade perdida e acusou partidos de "falta de coragem" para o que era necessário. Centeno continuará no Governo, mas pode sair em 2021 para cargo internacional.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

O ex-líder do PSD e comentador da SIC, Luís Marques Mendes afirma que a “lei aprovada é música celestial”, que não tem “consistência nem rigor”. Para o comentador faltou criar uma verdadeira Comissão de Ética na Assembleia da República para “pôr em ordem os conflitos que existem no Parlamento”.

“O que se passa é uma vergonha, os deputados encobrem-se uns aos outros, decidem em causa própria, são cúmplices uns dos outros”, acusa o ex-líder dos sociais-democratas acrescentando também que as campanhas dos partidos deviam ser financiadas por capitais públicos, “um custo virtuoso para a democracia”. Marques Mendes defende assim a proibição do financiamento privado das campanhas eleitorais já que, afirma, “muita da corrupção” tem início nesse momento.”Quem dá um donativo para um partido não o faz de forma inocente. Quer uma contrapartida. Condiciona os dirigentes ou candidatos”, disse instando ao fim deste tipo de financiamento: “acabemos com estes alçapões que só desacreditam a democracia”.

Luís Marques Mendes comentou ainda a hipótese de Mário Centeno continuar no próximo governo com uma pasta ministerial. De acordo com o comentador da SIC, Centeno será candidato nas legislativas ao lado de António Costa ficando a “carreira internacional para 2021”, depois do primeiro semestre quando Portugal recebe a presidência da Comissão Europeia. O atual ministro das Finanças deverá ser reconduzido no cargo, permitindo a sua continuidade como presidente do Eurogrupo, que integra os ministros da zona euro.

Luís Marques Mendes abordou ainda a questão sensível da suspensão de funções de autarcas, deputados ou governantes acusados de crimes graves “como a corrupção”. O comentador da SIC afirma que está em desacordo com António Costa e que os partidos deviam “obrigá-los a suspender de imediato as suas funções”, assim que são constituídos arguidos nos processos. Para tal, defende, os partidos deviam criar Comissões de Ética e Códigos de Conduta.

Na semana em que o país assistiu ao debate do estado da nação, no Parlamento, Marques Mendes considerou que este foi um debate que “nada disse ao país”. E nada disse ao país porquê? O comentador diz que foi  “muito descolado da realidade, com muitos chavões e sobretudo muitos exageros”, que já tem em vista as eleições de 06 de outubro e foi feito “em modo campanha eleitoral”. Afirma que o Governo pintou o país de azul celestial, apesar de ter dito que não o ia colorir de cor-de-rosa e que a oposição exagerou ao afirmar que a ação do Governo foi um “deserto” o que, considera, é próprio de campanha eleitoral, “mas não é muito credível”. O comentador fez “um balanço positivo dos últimos quatro anos” afirmando que “as pessoas estão melhor do que estavam em 2015”.

Luís Marques Mendes destacou as duas sondagens desta semana que dão uma vitória do PS com 15 pontos de diferença para o PSD “nunca aconteceu uma diferença tão grande”, com o PS em primeiro lugar e o PSD em segundo. O comentador alertou ainda para a hipótese de uma coligação entre o PS e o PAN, caso o partido Pessoas-Animais-Natureza atinja os 4,5% ou 5% para que as sondagens apontam neste momento.

No campo das sondagens, mais um apontamento de Marques Mendes, sobre o Presidente da República. Marcelo Rebelo de Sousa é “uma verdadeira superstar”, considerou. O comentador destacou a popularidade altíssima do chefe de Estado junto de todos os partidos e apontou para a hipótese do PS não apresentar nenhum candidato às eleições de 2020, apoiando a recandidatura de Marcelo Rebelo de Sousa.

Sobre o recente acordo conseguido pela esquerda na lei de bases da saúde, Marques Mendes apelida a lei de “eclética” já que, afirma, beneficia todos os partidos “cada um à sua maneira”. O ex-líder do PSD afirma que o maior beneficiado é António Costa, mas repete aquilo que já tinha defendido num comentário no final de junho, que esta é “uma lei que não muda nada”. “Vai ser um trunfo eleitoral e permite fazer discurso de mudança. A lei não muda nada, mas permite a expectativa de mudança”, considerou Marques Mendes.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpenela@observador.pt
Combustível

O mundo ao contrário /premium

João Pires da Cruz

Se o seu depósito é mais importante do que aquilo que os pais deste bebé sentiram quando lhes disseram que o filho deles morreu instantes depois do nascimento, é porque tem o mundo ao contrário.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)