A resposta da BMW à Mercedes com o EQC, à Audi com o Q4 e-tron e à Jaguar com o I-Pace vai chegar em 2020, o ano em que a marca de Munique vai lançar o seu primeiro SUV puramente eléctrico, o iX3.

Porém, ao contrário do que acontece com o i3 ou com o i8, esta aposta não foi projectada de raiz para acolher baterias, antes partindo da base do X3, com as devidas alterações para poder receber os acumuladores. Sabe-se agora, via BMW Blog, que a chamada plataforma FSAR (a tal adaptação da CLAR) vai receber uma bateria de 75 kWh, que lhe permitirá homologar uma autonomia acima de 400 km (não se sabendo de momento qual a norma adoptada para a homologação, se a chinesa, europeia ou americana), tendo ainda a seu favor o facto de poder ser recarregada a 150 kW, o que significa obter quase 100% da carga em meia hora.

De acordo com a fonte acima referida, no mercado norte-americano, o iX3 vai propor uma versão denominada “sDrive75”, montando o motor eléctrico sobre o eixo traseiro, para que a potência seja transmitida directamente às rodas de trás.

Quanto à potência, espera-se que ronde os 300 cv, fasquia onde se posiciona também o Q4 e-tron (306 cv). Logo, abaixo quer do I-Pace (400 cv) quer do Mercedes EQC (408 cv). O Model Y, o mais pequeno dos SUV da Tesla, também está previsto para 2020 (segunda metade), desconhecendo-se para já os níveis de potência que irá propor. Sabe-se, isso sim, é que na versão de topo Long Range deverá anunciar 540 km de autonomia em WLTP, trunfo a que soma o facto de oferecer três filas de bancos e lugar para sete ocupantes.