Rádio Observador

Meteorologia

Temperaturas baixam 10º C, mas perigo de incêndio mantém-se

121

O norte do país vai ter temperaturas de primavera, mas centro e sul vão ultrapassar os 30º C. Perigo de incêndios mantém-se em alguns locais do continente.

DIOGO VENTURA/OBSERVADOR

Verão a sul, primavera mais a norte. Depois de na semana passada as temperaturas terem chegado aos 40º C em alguns pontos do país, os próximos dias serão mais amenos. Como previsto, as temperaturas baixaram no fim da semana e agora só em quatro zonas do país máximas previstas poderão ir além dos 30ºC. Em Lisboa, os termómetros vão oscilar entre os 19º C e os 27º C esta segunda-feira e no Porto não deverão ultrapassar os 23º C. No Algarve estará mais quente, com uma máxima prevista de 33º C para Faro.

De acordo com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), os distritos de Castelo Branco, Évora, Bragança e Faro vão ter as temperaturas mais quentes desta segunda-feira. Castelo Branco poderá mesmo ser a zona com mais calor do país, estando prevista uma máxima de 36º C. À semelhança da semana passada, os termómetros nas ilhas não vão ultrapassar os 25º C.

O IPMA tinha alertado, durante a última semana, para máximas de até 42º C. Todo o país chegou a estar em alerta amarelo devido ao calor.

O vento estará fraco ou moderado esta segunda-feira e o céu azul só será interrompido por alguns períodos de nebulosidade ao longo do dia, especialmente em alguns locais da faixa costeira.

Mas a descida das temperaturas não significa um menor risco de incêndio. Os concelhos de Abrantes, no distrito de Santarém, e Gavião, em Portalegre, apresentam mesmo um risco máximo de incêndio esta segunda-feira. E os alertas não ficam por aqui. O IPMA colocou também mais de 30 concelhos dos distritos de Faro, Portalegre, Castelo Branco, Santarém, Guarda, Leiria, Coimbra e Viseu em risco muito elevado de incêndio.

O risco de incêndio determinado pelo IPMA tem cinco níveis, que vão de reduzido a máximo, sendo o elevado o terceiro nível mais grave. Os cálculos para este risco são obtidos a partir da temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.

Oito distritos do continente e Madeira em risco extremo de exposição à radiação UV

Temperaturas mais baixas, mas sem tréguas do sol. Oito distritos do continente e a ilha da Madeira apresentam esta segunda-feira um risco extremo de exposição à radiação ultravioleta (UV).

O IPMA coloca e risco extremo os distritos da Guarda, Castelo Branco, Santarém, Portalegre, Lisboa, Évora, Setúbal e Beja e a ilha da Madeira. Também em risco muito elevado de exposição à radiação UV estarão os distritos de Faro, Leiria, Coimbra, Viseu, Bragança, Vila Real, Braga e Viana do Castelo, a ilha do Porto Santo e o arquipélago dos Açores. Os distritos do Porto e Aveiro estão com níveis elevados de exposição à radiação UV.

O IPMA recomenda em caso de risco extremo que a população evite a exposição ao sol o mais possível. Para as regiões com risco muito elevado e elevado, o IPMA recomenda a utilização de óculos de sol com filtro UV, chapéu, t-shirt, guarda-sol, protetor solar e evitar a exposição das crianças ao Sol.

O índice ultravioleta varia entre 1 e 2, em que o risco de exposição à radiação UV é baixo, 3 a 5 (moderado), 6 a 7 (elevado), 8 a 10 (muito elevado) e superior a 11 (extremo). O cálculo é feito com base nos valores observados às 13h00 em cada dia relativamente à temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)