Verão a sul, primavera mais a norte. Depois de na semana passada as temperaturas terem chegado aos 40º C em alguns pontos do país, os próximos dias serão mais amenos. Como previsto, as temperaturas baixaram no fim da semana e agora só em quatro zonas do país máximas previstas poderão ir além dos 30ºC. Em Lisboa, os termómetros vão oscilar entre os 19º C e os 27º C esta segunda-feira e no Porto não deverão ultrapassar os 23º C. No Algarve estará mais quente, com uma máxima prevista de 33º C para Faro.

De acordo com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), os distritos de Castelo Branco, Évora, Bragança e Faro vão ter as temperaturas mais quentes desta segunda-feira. Castelo Branco poderá mesmo ser a zona com mais calor do país, estando prevista uma máxima de 36º C. À semelhança da semana passada, os termómetros nas ilhas não vão ultrapassar os 25º C.

O IPMA tinha alertado, durante a última semana, para máximas de até 42º C. Todo o país chegou a estar em alerta amarelo devido ao calor.

O vento estará fraco ou moderado esta segunda-feira e o céu azul só será interrompido por alguns períodos de nebulosidade ao longo do dia, especialmente em alguns locais da faixa costeira.

Mas a descida das temperaturas não significa um menor risco de incêndio. Os concelhos de Abrantes, no distrito de Santarém, e Gavião, em Portalegre, apresentam mesmo um risco máximo de incêndio esta segunda-feira. E os alertas não ficam por aqui. O IPMA colocou também mais de 30 concelhos dos distritos de Faro, Portalegre, Castelo Branco, Santarém, Guarda, Leiria, Coimbra e Viseu em risco muito elevado de incêndio.

O risco de incêndio determinado pelo IPMA tem cinco níveis, que vão de reduzido a máximo, sendo o elevado o terceiro nível mais grave. Os cálculos para este risco são obtidos a partir da temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.

Oito distritos do continente e Madeira em risco extremo de exposição à radiação UV

Temperaturas mais baixas, mas sem tréguas do sol. Oito distritos do continente e a ilha da Madeira apresentam esta segunda-feira um risco extremo de exposição à radiação ultravioleta (UV).

O IPMA coloca e risco extremo os distritos da Guarda, Castelo Branco, Santarém, Portalegre, Lisboa, Évora, Setúbal e Beja e a ilha da Madeira. Também em risco muito elevado de exposição à radiação UV estarão os distritos de Faro, Leiria, Coimbra, Viseu, Bragança, Vila Real, Braga e Viana do Castelo, a ilha do Porto Santo e o arquipélago dos Açores. Os distritos do Porto e Aveiro estão com níveis elevados de exposição à radiação UV.

O IPMA recomenda em caso de risco extremo que a população evite a exposição ao sol o mais possível. Para as regiões com risco muito elevado e elevado, o IPMA recomenda a utilização de óculos de sol com filtro UV, chapéu, t-shirt, guarda-sol, protetor solar e evitar a exposição das crianças ao Sol.

O índice ultravioleta varia entre 1 e 2, em que o risco de exposição à radiação UV é baixo, 3 a 5 (moderado), 6 a 7 (elevado), 8 a 10 (muito elevado) e superior a 11 (extremo). O cálculo é feito com base nos valores observados às 13h00 em cada dia relativamente à temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.