Rádio Observador

Animais

Uma raia-manta estava ferida e pediu ajuda a uma equipa de mergulhadores. Veja as imagens

2.808

Freckles nadava ao largo da costa da Austrália quando ficou com anzóis de pesca presos debaixo do olho. Uma equipa de mergulhadores estava por perto e o animal foi ter com eles para pedir ajuda.

Excerto do vídeo publicado pela equipa. Na mão direita do mergulhador, é possível ver um dos anzóis

Monty Halls/Facebook

Chama-se Freckless, a raia-manta, e ficou com anzóis presos debaixo de um olho enquanto nadava ao largo da costa da Austrália. A quem pedir ajuda? Aos mergulhadores que reconheceu de expedições anteriores, claro. E, depois de meia hora e várias tentativas, teve sucesso.

O episódio aconteceu na Costa Ningaloo, no oeste australiano. As imagens mostram a raia a aproximar-se dos mergulhadores e a mostrar-lhes que precisava de ajuda. Um dos membros da equipa removeu o anzóis — e as imagens tornaram-se um sucesso na internet.

Não foi da minha imaginação. A raia ia e voltava, virava-se e parava na água. E estava a olhar fixamente para nós, como que pedindo ajuda”, escreveu o fotógrafo Monty Halls no Facebook.

A equipa explicou que estava a nadar com o animal quando repararam no ferimento. “Depois de alguns minutos, reparámos que tinha anzóis presos debaixo do olho direito. E a raia estava constantemente a mostrar-se ao Jake, o nosso guia”, descreveu Halls.

O processo foi doloroso para o animal e levou cerca de meia hora. Jake usou um alicate para remover o anzol e foram precisas várias tentativas. A raia afastava-se mas voltava ao encontro do mergulhador para permitir uma nova tentativa. “Finalmente, ele lá conseguiu e a raia-manta assentou tranquilamente no fundo do mar e ficou connosco durante mais algum tempo”, contou o fotógrafo australiano.

Para Monty Halls, o pedido de ajuda de Freckles foi uma “clara ilustração” da inteligência e confiança dos animais. Foi também uma forma de mostrar que os animais se “associam fortemente à malta que os trata com respeito”, acrescentou.

Freckles (sardas) tem este nome devido às manchas que tem na barriga. Três semanas depois do episódio, Jake Wilton voltou a visitar a “senhora” com cerca de 30 anos e contou à BBC que o animal está bem. O mergulhador explica que entrou na água para ver como estava a raia e que ela o reconheceu. “A Freckles parou e esteve à minha volta durante uns 30 segundos. Ela pode ter-me reconhecido”, adiantou.

Wilton refere que os anzóis podem ter-se prendido ao olho da raia quando o animal nadava no fundo do mar para se alimentar de plâncton. Este é um problema de resto bastante comum em baías de corais. Barcos de pesca recreativa — outro problema para as raias — poluem a água e os pescadores descartam os anzóis, colocando em risco animais como Freckles.

As raias-mantas adultas podem pesar até 1650 quilos e viver durante 50 anos, de acordo com a National Geographic. Têm entre três e sete metros de comprimento e estão classificadas como espécie vulnerável na lista vermelha da União Internacional para a Conservação das Espécies Ameaçadas na Lista Vermelha da Natureza.

Freckles vai agora continuar a habitar em segurança na Costa Ningaloo, classificada como Património Mundial da UNESCO. Tem mais de 705 mil hectares e é um dos corais mais longos do mundo. Ningaloo significa, na língua aborígene australiana, “água profunda” e “promontório”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Animais

Ninguém merece ser cozido vivo, nem um caracol

João André Costa
3.672

E chega. Chega para passar a mensagem e o exemplo quando, em plena época estival, assistimos em cada restaurante, cada café, cada bar e cozinha de Portugal a uma tortura típica dos tempos medievais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)