Rádio Observador

Cinema

Filme premiado no Festival de Marselha estreia em outubro em Portugal

164

30.ª edição do certame francês deu dois prémios a "Raposa". O único filme português na seleção oficial, da realizadora Leonor Noivo, aborda um dos aspetos das doenças psiquiátricas comportamentais.

O primeiro filme de Leonor Noivo é o documentário “Macau Aparte”, de 2001. Em 2005 estreou-se na ficção com “Salitre”

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O filme “Raposa”, que recebeu esta segunda-feira duas menções especiais no Festival Internacional de Cinema de Marselha, estreia em Portugal “em outubro”, disse à Lusa a realizadora, Leonor Noivo, para quem foi “uma honra” ser premiada.

“Para mim é uma honra, [receber] um reconhecimento num festival como este, que respeito muito, (…) tenho uma grande admiração”, explicou Leonor Noivo à Lusa, após a cerimónia que premiou “Raposa” na 30.ª edição do certame francês.

Segundo a organização, o único filme português na principal categoria recebeu menções especiais no Prémio Georges de Beauregard, que distingue produções documentais que testemunhem o seu próprio tempo, e no Prémio Marseille Esperance, para novos valores, enquanto o Grande Prémio do festival foi para o chileno Ignacio Agüero, por “Nunca Subi El Provincia”.

Depois da primeira apresentação mundial em Marselha, França, “o filme vai estrear em outubro em Portugal” e, entretanto, vai continuar no circuito de festivais, após uma receção “muito acolhedora” da média-metragem que cruza documentário e ficção.

“Raposa” aborda um dos aspetos das doenças psiquiátricas comportamentais e foi rodado ao longo de mais de dois anos, com a colaboração estreita da atriz Patrícia Guerreiro, que assina o argumento com Leonor Noivo e uma “equipa pequena” cuja cinematografia ficou a cargo de Vasco Saltão.

“Isto foi um processo e um filme que demorou algum tempo, e o resultado é também o processo em si. Íamos trocando cartas com a Patrícia e íamos construindo o filme”, acrescentou a realizadora.

Este “olhar pessoal” sobre uma temática para a qual quer mais atenção, “através do interior, da forma mais honesta possível e longe do preconceito de outros trabalhos”, fez de Patrícia “uma grande companheira” da produção.

“Astuta e esbelta, perseguida e em fuga, ‘Raposa’ é a metáfora de uma obsessão sem fim – em cada respiração, cada gesto, cada pensamento. Marta procura no vazio de seu corpo uma maneira de chegar à sua essência interior, numa busca abstrata de um espírito livre que possa terminar na sua própria libertação”, pode ler-se na sinopse.

Leonor Noivo, que estudou Arquitetura e Fotografia antes de ingressar na Escola Superior de Teatro e Cinema, é uma das criadoras da Terratreme Filmes, que assumiu a produção e distribuição da obra, com uma duração total de 40 minutos.

A produtora foi criada em 2008 por João Matos, Luísa Homem, Pedro Pinho, Susana Nobre e Tiago Hespanha, além de Leonor Noivo.

Desde essa altura, a par da realização, tem desenvolvido trabalho como produtora na coordenação e acompanhamento de projetos de ficção e de documentário.

O seu primeiro filme documental, “Macau Aparte”, data de 2001. Em 2005 estreou-se na ficção com “Salitre”.

“Tudo o que imagino”, o seu filme mais recente, de 2017, acompanha um grupo de amigos no bairro de Alcoitão (Cascais), no fim da adolescência.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)