Rádio Observador

Comissão Europeia

Marcelo Rebelo de Sousa e Governo congratulam eleição de Ursula Von der Leyen

O PR desejou "os maiores êxitos" à nova presidente da Comissão Europeia. Já Santos Silva considera que Ursula Von der Leyen dirigirá "uma Comissão no sentido" que Portugal sempre defendeu.

A alemã foi eleita numa votação em que obteve 383 votos a favor, 327 contra, 22 abstenções e um voto nulo

RODRIGO ANTUNES/LUSA

O ministro dos Negócios Estrangeiros português disse esta terça-feira que o Governo se regozija com a eleição de Ursula Von der Leyen na Comissão Europeia, sublinhando que os seus compromissos “vão todos no sentido certo”. Por seu lado, Marcelo Rebelo de Sousa desejou “os maiores êxitos” à nova presidente.

“O Governo regozija-se com o resultado da votação e a eleição por parte do Parlamento Europeu da personalidade proposta pelo Conselho europeu para o exercício da presidência da Comissão Europeia”, afirmou Augusto Santos Silva à margem da comissão parlamentar de Negócios Estrangeiros onde esteve a ser ouvido esta tarde.

“Como o primeiro-ministro teve ocasião de dizer ontem [segunda-feira], entendemos que os compromissos assumidos pela presidente eleita são muito claros e vão todos no sentido certo”, disse o chefe da diplomacia português.

Segundo Santos Silva, a nova presidente da Comissão Europeia pauta-se pela “defesa do Estado de Direito, defesa do completamento da União Económica e Monetária, defesa da criação do instrumento orçamental para a competitividade e a convergência e defesa da atenção que a Europa toda deve prestar à transição energética e à descarbonização da nossa economia”.

Os compromissos de Ursula Von der Leyen tomou enquanto candidata “indicam que dirigirá uma comissão no sentido” que Portugal sempre defendeu: “maior integração europeia, maior capacidade da Europa de responder às necessidades dos cidadãos e assegurar a prosperidade das nossas economias, assegurar a convergência económica e social no interior da União Europeia, defender o Estado de direito e o protagonismo da Europa nas grandes agendas do mundo de hoje”, concluiu.

Já o chefe de Estado português, Marcelo Rebelo de Sousa felicitou Ursula Von der Leyen e também o Parlamento Europeu e Conselho Europeu por este “final feliz”.

Numa nota divulgada no portal da Presidência da República na Internet, Marcelo Rebelo de Sousa considera que esta eleição é “muito importante para o normal funcionamento das instituições europeias”. “Com este resultado, a presidente Ursula Von der Leyen será finalmente a primeira mulher a ser eleita para dirigir os destinos da Comissão nos próximos cinco anos”, salienta o Presidente da República.

A alemã Ursula Von der Leyen, de 60 anos, do partido União Democrata-Cristã (CDU), foi eleita nesta terça-feira para a presidência da Comissão Europeia pelo Parlamento Europeu, numa votação em que obteve 383 votos a favor, 327 contra, 22 abstenções e um voto nulo.

A candidata indigitada pela Comissão Europeia para presidir à Comissão Europeia irá suceder em 1 de novembro ao luxemburguês Jean-Claude Juncker, que liderou o executivo comunitário nos últimos cinco anos, e será a primeira mulher a ocupar este cargo.

Segue-se agora o processo de composição do novo Colégio de Comissários, que será submetido a um voto de aprovação em outubro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)