Rádio Observador

PSP

Ministro garante 20 milhões de euros de investimento para a PSP na Área Metropolitana do Porto

Eduardo Cabrita diz que investimento vai contribuir para que Portugal continue a ser "um dos países mais seguros do mundo". O ministro admite que o investimento pode avançar já em 2020.

Eduardo Cabrita explica que o investimento será feito na melhoria das infraestruturas

MIGUEL A. LOPES/LUSA

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, garantiu esta terça-feira um investimento de cerca de 20 milhões para a construção e requalificação de infraestruturas da PSP na Área Metropolitana do Porto (AMP).

As intervenções vão desenvolver-se nos próximos anos, e, segundo Eduardo Cabrita, vão contribuir para que Portugal continue a ser “um dos países mais seguros do mundo”.

Os resultados que Portugal tem tido na redução da criminalidade violenta e grave afirmam a segurança como um dos principais ativos do país, na qualidade de vida e na atração de turismo e investidores”, começou por dizer o ministro.

O governante apontou que “a Área Metropolitana do Porto é muito importante neste contexto”, vincando que no “âmbito das zonas de jurisdição da PSP está programado um investimento de cerca de 20 milhões de euros em quase todos os concelhos da região”, direcionados para a melhoria das infraestruturas.

Eduardo Cabrita deu conta desta intenção do Governo durante a assinatura de um contrato de cooperação com a Câmara Municipal de Vila do Conde para a construção de uma nova esquadra da PSP na cidade, num projeto avaliado em três milhões de euros.

“Era um anseio da autarquia e da população há várias décadas e que a lei da programação, assinada em 2017, veio agora tornar possível. O concurso será lançado agora e acredito que em 2020 a obra possa avançar”, disse o ministro.

O responsável pela pasta da Administração Interna prometeu ainda que, no âmbito da programação feita para a PSP, haverá outros investimentos na região, em viaturas, equipamentos e na valorização dos quadros.

Esperamos até 2021 entregar às forças de segurança, de todo país, mais de 2.200 viaturas, e já este ano entregamos 700. No reforço de efetivos, nos últimos quatro anos de Governo abrimos concurso na PSP para recrutar 2.200 efetivos, um número superior aos 500 recrutados nos quatro anos anteriores”, apontou Eduardo Cabrita, no final da cerimónia em Vila do Conde.

Elisa Ferraz, presidente da autarquia local, classificou a assinatura deste contrato para a construção da nova esquadra na cidade “como um momento histórico e um novo ciclo para as gerações vindouras”.

“Depois de tantos anos de espera, e com tantas diligências que fizemos desde o início do nosso mandato, é uma satisfação ver que o assunto está resolvido, respondendo aos anseios da comunidade, para que a que a PSP tivesse uma esquadra com condições de funcionamento adequadas”, disse a autarca.

Elisa Ferraz explicou que a nova esquadra será edificada num terreno cedido pela Câmara Municipal e que será a autarquia a avançar com o investimento na construção do equipamento, para depois ser ressarcida pela administração central. A presidente da Câmara aponta que no final deste ano, ou início do próximo, a obra possa avançar, tendo como prazo de execução mais dois anos.

A nova esquadra irá centralizar as várias valências que a PSP tem em Vila do Conde, mas também na cidade vizinha da Póvoa de Varzim.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Politicamente Correto

Os filhos do Vasco Granja /premium

Helena Matos
463

O reitor proibiu a carne de vaca. Os alunos se pudessem proibiam toda a carne. Em Portugal, eles são os filhos e netos do Vasco Granja. Gerações que, entre muita animação, estão a impor uma ditadura.

Turismo

A turistificação da economia algarvia

António Covas

Não é tarefa fácil falar de diversificação da base económica regional quando a atividade turística é aquela que remunera mais rapidamente as pequenas poupanças e os pequenos investimentos realizados.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)