Rádio Observador

Séries

Netflix apaga cena de suicídio da série “Por Treze Razões”

A cena de suicídio de Hannah, a protagonista de 17 anos da série vista por adolescentes "13 Reasons Why", foi editada dois anos depois. A Netflix foi sensível a conselhos de especialistas médicos.

Netflix

A terceira temporada da série “Por Treze Razões” chegará à plataforma Netflix “até ao final do verão”, mas o final da primeira ainda dá que falar. Foi uma das cenas mais controversas e que mais discussão originou em todas as séries da produtora e plataforma de streaming: depois de assistir ao que levou a protagonista, Hannah, de 17 anos, a suicidar-se, os espetadores assistiam à própria cena do suicídio. Sendo uma série vista por adolescentes, debateu-se durante dois anos se a cena não seria demasiado gráfica e perturbadora. Agora, acedendo a conselhos de especialistas médicos, a Netflix decidiu editar o final da primeira temporada, removendo a cena de suicídio da protagonista.

A decisão foi comunicado oficialmente e tem vindo a ser noticiada por vários meios de comunicação. O britânico The Independent, por exemplo, cita uma declaração oficial da produtora e distribuidora de filmes e séries. Esta posição oficial emitida pela Netflix defende ainda a narrativa e o argumento de “Por Treze Razões”, considerando importante trazer o tema do suicídio entre jovens para discussão.

Ouvimos muitos jovens referir que a série os encorajou a começar a discutir temas difíceis como depressão e suicídio e a procurar ajuda — muitas vezes, pela primeira vez. Preparamo-nos para lançar a terceira temporada, mas temos estado atentos ao debate em torno da série. Portanto, após conselhos de especialistas médicos, incluindo da Dr. Christine Moutier, Diretora Clínica da Fundação Americana para a Prevenção do Suicídio, decidimos em conjunto com o criador Brian Yorkey e os produtores editar a cena em que Hannah se suicida na primeira temporada”

As primeiras críticas, feitas por grupos médicos especializados em saúde mental, surgiram imediatamente após a exibição do último episódio da primeira temporada.

Na altura, em 2017, o argumentista da série Nic Sheff chegou a escrever uma carta aberta, na qual defendia a opção de incluir explicitamente a cena de suicídio no guião. “Pareceu-me a oportunidade perfeita para mostrar como é que realmente um suicídio se parece — para dissipar o mito de que é uma espécie de adormecimento tranquilo e para obrigar os espectadores a enfrentarem o que realmente acontece quando se salta de um edifício em chamas para algo muito, muito pior do que isso”.

Pareceu-me que a coisa mais irresponsável que poderíamos fazer seria não mostrarmos de todo a morte. Nos alcoólicos anónimos, chama-se a isto tocar a cassete: encorajar os alcoólicos a pensar realmente e em detalhe na sequência exata de eventos que resultarão de uma recaída. Com o suicídio é a mesma coisa. Tocar a cassete é ver por fim a realidade: que o suicídio não é nenhum alívio, é um terror agonizante e gritante”, chegou a escrever o argumentista.

Só que agora a Netflix recuou na defesa da escolha do final da primeira temporada e tornou menos explícito o suicídio de Hannah. A próxima temporada deverá estrear nos próximos dois meses, embora não haja ainda uma data oficial anunciada.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: gcorreia@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)