Pelo menos sete pessoas morreram, o mesmo número foi resgatado e teme-se que dezenas permaneçam ainda sob os escombros de um edifício de quatro andares que desabou esta terça-feira na cidade de Mumbai, na Índia.

Em comunicado, o Departamento de Gestão de Desastres da metrópole indiana explicou que o prédio colapsou por volta das 11h40 (7h10 em Lisboa) na cidade de Dongri, em plena época de monções.

Até ao momento, as equipas de resgate recuperaram sob os escombros os corpos de sete pessoas, enquanto que outras sete, incluindo uma criança, foram resgatadas com vida, segundo a nota.

A criança resgatada já recebeu alta, indicou o Departamento de Gestão de Desastres que tinha relatado “entre 40 e 50 pessoas” presas nos escombros, pelo que espera-se que o número de vítimas continue a aumentar à medida que o trabalho de resgate avance.

Várias ambulâncias e equipas de gestão de desastres foram mobilizadas para o local, onde diversas pessoas formaram uma corrente para removerem os destroços com as próprias mãos.

O edifício tinha 100 anos e no momento da queda viviam 15 famílias, de acordo com um representante eleito para o Estado de Maharashtra, Devendra Fadanavis. Um deputado da oposição, Waris Pathan, disse que o edifício era um local perigoso, e as autoridades afirmaram que não tinham dinheiro para reconstruir a infraestrutura.

Numa mensagem na rede social Twitter, o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, expressou as suas “condolências às famílias daqueles que perderam a vida” e disse esperar que “os feridos recuperem rápido”.

A queda de edifícios é comum na Índia durante a época das chuvas de monção — que ocorrem entre junho e setembro — quando as chuvas fortes enfraquecem as estruturas dos edifícios precários, muitos construídos de forma ilegal e com falta de manutenção.

No domingo, um prédio de três andares desabou numa região no norte do país, na cidade de Solan, devido às chuvas fortes, fazendo 14 mortos.