Rádio Observador

Crime

Tinha 9 anos, foi raptada de casa dos avós e durante uma semana deixou a China em suspenso. Apareceu morta

Durante uma semana, foi a pergunta mais feita no país: onde está Zhang Zixin? A menina de 9 anos, raptada por um casal que arrendava casa aos avós, apareceu agora morta. O casal que a raptou também.

Zhang Zixin foi levada de casa dos avós, no condado rural de Chun'an, no passado dia 4 de julho

Homicídio seguido de suicídio. De acordo com a polícia chinesa, que na última semana destacou mais de 500 elementos para as buscas por Zhang Zixin, terá sido o que aconteceu no caso da menina de 9 anos raptada no dia 4 de julho de casa dos avós, nos arredores de Hangzhou, por um casal que lhes arrendava um apartamento.

O corpo foi recuperado do Mar da China Oriental no passado domingo e, de acordo com a Polícia da Província de Zhejiang, não apresentava quaisquer sinais de violência. Ainda assim, num comunicado enviado aos meios de comunicação, as autoridades afastaram a hipótese de acidente. Os corpos de Liang, 43 anos, e de Xie, de 45, o homem e a mulher que levaram Zhang de casa dos avós, identificados apenas pelos apelidos, já tinham sido recuperados do lago Dongqian, em Ningbo, a cerca de 25 quilómetros de distância. Estavam presos um ao outro pelas roupas. Antes de cometer suicídio, o casal terá sido visto a consumir bebidas alcoólicas junto à água.

Foi a 20 de junho, no dia em que alugaram um apartamento aos avós de Zhang Zixin, nos arredores de Hangzhou, capital da província chinesa de Zhejiang, que Liang e Xie conheceram a menina de 9 anos. Desde então, o casal ter-se-á afeiçoado de tal forma à criança que até partilhou fotografias dela nas redes sociais — “Temos uma filha adotiva!”.

De acordo com o pai da criança, Zhang Jun, em entrevista ao jornal local Dushi Kuaibao, citado pela CNN, terá sido na noite do dia 3 de julho que manifestaram pela primeira vez a intenção de levarem Zhang a um casamento em Xangai — “Para ser a menina das flores”. Como o pai, a trabalhar numa cidade a várias centenas quilómetros de distância, não autorizou, terão ludibriado os avós e levado a criança sem autorização, no dia seguinte.

Ainda assim, e como Liang e Xie mantiveram a comunicação, prometeram que a trariam de volta dois dias depois e lhe foram enviando via WeChat (a aplicação de mensagens rápidas mais usada naquele país) vídeos, fotografias e ficheiros áudio da filha, Zhang Jun não alertou as autoridades. Em vez disso, no dia em que a menina devia regressar, apanhou o comboio noturno para casa. Na manhã seguinte, 7, voltou a falar com a filha, que lhe disse que estavam no norte do condado de Xiangshan, ainda em trânsito para Xangai. Parecia “calma”, diria mais tarde ao Dushi Kuaibao. Foi a última vez que falou com a filha.

A partir de então, Liang ter-se-á tornado mais esquivo — primeiro terá recusado dizer-lhe onde estavam, para que pudesse ir buscar a filha, finalmente terá concordado em levar a menina de volta, de táxi, pago por Zhang Jun. A seguir desligou o telemóvel para não o voltar a ligar mais.

No dia seguinte, segunda-feira, cinco dias depois de a filha ter sido raptada, o pai de Zhang Zixin apresentou finalmente queixa às autoridades. E a China inteira ficou em suspenso, com milhares de pessoas a partilharem a história da menina nas redes sociais e outras tantas a desenvolverem teorias sobre o seu desaparecimento — uns garantiam que tinha sido levada para uma rede de tráfico de crianças; outros, inspirados pela justificação dada inicialmente a Zhang Jun, juravam que Liang e Xie faziam parte de um culto e tinham raptado a menina para lhes levar flores no casamento que iam celebrar no mundo dos mortos.

Apesar de ter afastado de imediato ambas as hipóteses, a polícia desconhece ainda as motivações de Liang e Xie, que não tinham qualquer registo criminal, não estavam associados a cultos e nem sequer tinham hábitos de consumo de drogas ou álcool. Por muito que a análise aos posts publicados mais recentemente pela dupla nas redes sociais tenha revelado uma tendência para pensamentos suicidas — consubstanciada com o facto de nos últimos meses o casal ter começado a desfazer-se dos bens que possuía (na conta bancária tinham apenas 31,7 yuans, 4,11 euros) –, o rapto e homicídio da criança de apenas 9 anos permanece um mistério.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: tpereirinha@observador.pt
Combustível

O mundo ao contrário /premium

João Pires da Cruz

Se o seu depósito é mais importante do que aquilo que os pais deste bebé sentiram quando lhes disseram que o filho deles morreu instantes depois do nascimento, é porque tem o mundo ao contrário.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)