Rádio Observador

Festivais

Zigur Fest leva Adolfo Luxúria Canibal a Lamego

271

De 21 a 24 de agosto, 30 nomes da música e da arte portuguesa vão passar por cinco palcos em Lamego, num festival que tem um concerto inédito do baterista Krake e do lendário Adolfo Luxúria Canibal.

O Zigur Fest é um festival gratuito que acontece em cinco palcos distribuídos pela cidade de Lamego

VERA MARMELO

Autor
  • Maria Martinho

A 9ª edição do Zigur Fest regressa à zona histórica de Lamego para durante quatro dias juntar música portuguesa e muita arte nas ruas do interior do país. “A intenção é mostrar que o panorama musical português está vivo, apostando em artistas emergentes, menos óbvios e contemporâneos”, diz Afonso Lima, responsável pela iniciativa, em entrevista ao Observador. No rol de novidades está a estreia absoluta de um concerto que junta pela primeira vez os ritmos do baterista Krake e a liberdade das palavras de Adolfo Luxúria Canibal, o vocalista dos Mão Morta. Um momento exclusivo do Zigur Fest para ver no último dia, sábado 24, pelas 23h.

Antes disso, Odete apresenta “Amarração” ao som da eletrónica transgressora, onde se aguardar beats que atravessam a história da música queer, transformando o festival num espaço de experimentação sonora e independente. A lisboeta Violeta Azevedo mostrará um mundo evocado pela flauta e sintetizadores, tendo o seu trabalho a solo e a sua ligação ao instrumento são protagonistas. Jasmim, projeto de Martim Braz Teixeira, promete envolver tudo e todos com o folk e os arranjos ancestrais do seu último disco “Culto da Brisa”, já Mynda Guevera traz o melhor do rap no feminino diretamente da Cova da Moura. Descomplexado e sem compromissos – tanto na vida como na música –, Filipe Sambado & Os Acompanhantes de Luxo chegam finalmente a Lamego para puxar o lustro às canções que ficaram no ouvido em 2018.

Glockenwise, Minus & Mrdolly, Algumacena, Mynda Guevara, Luís Vicente + João Valinho, Terebentina, Dada Garbeck, Ivy, Djumbai Djazz, Stasya, Zentex, Afta 3000, Conferência Inferno, 3I30 , Menino Da Mãe + Raphael Soares, Tiago E Os Tintos, Daniel Catarino Trio são outros nomes que integram um cartaz que irá percorrer a cidade de Lamego em cinco palcos improváveis:  Auditório do Teatro Ribeiro Conceição, Castelo de Lamego, Oficinas de Restauro do centenário Museu de Lamego, Parque Isodoro Guedes e Rua da Olaria.

Apesar do line-up estar fechado, Afonso Lima, da organização, admite a possibilidade de serem introduzidos eventos e iniciativas novas no programa. “No próprio dia pode acontecer um concentro espontâneo e inesperado. Neste festival existem fenómenos deste género”, sublinha.

A ZONA – Residências Artísticas de Lamego nasceu pela mão do artista plástico e visual João Pedro Fonseca, e este ano volta a receber a arte mais permanente. O festival conta com um grande número de exposições, instalações de videoarte e dois workshops inseridos na ZONA, onde as obras produzidas serão apresentadas pelos seus criadores durante o festival, permanecendo expostas na Casa do Artista, no Museu de Lamego e noutros locais a anunciar, entre os dias 21 e 24 de Agosto. Continuam também os workshops onde os músicos convidados vão apresentar algumas técnicas de criação ou produção e pela primeira vez Lamego vai acolher 10 peças de videoarte ao abrigo da ZONA.

Nesta edição, a festa e a dança irão prolongar-se pela noite dentro com três afterparties nos primeiros três dias do festival, sempre até às 6h. Para os que vêm de longe, o parque de campismo é gratuito, embora limitado a uma inscrição prévia no site do festival.

Os warm-ups do Zigur Fest acontecem a 27 de julho no Maus Hábitos – Espaço de Intervenção Cultural, no Porto, com o rock de Sereias, o coletivo Baleia Baleia Baleia, o pop náutico de Conferência Inferno e o veterano Zentex. A 3 de agosto é a vez de Lisboa receber no Damas Bar – Sala de Concertos os Burgueses Famintos e o Dj Tendency.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)