Rádio Observador

Bloco de Esquerda

BE diz que investimento nos serviços públicos não compensou “deterioração”

"Nos últimos quatro anos houve mais investimento nos serviços públicos, mas não o suficiente para compensar a deterioração dos anos anteriores e para lançar novos projetos", disse Catarina Martins.

ESTELA SILVA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE) disse na terça-feira, em Aveiro, que o investimento do Governo PS nos serviços públicos não compensou a “deterioração” dos anos anteriores.

“Nos últimos quatro anos houve mais investimento nos serviços públicos, mas não o suficiente para compensar a deterioração dos anos anteriores e para lançar novos projetos”, disse Catarina Martins.

A coordenadora do BE falava perante uma plateia com cerca de 80 militantes em Aveiro, a quem deu a conhecer as propostas dos bloquistas para as áreas da educação e da saúde que vão fazer parte do programa eleitoral do partido.

Na sua intervenção, Catarina Martins disse que investir na escola pública e salvar o Serviço Nacional de Saúde (SNS) são “dois objetivos estratégicos” do Bloco na próxima legislatura, afirmando que se trata de um programa “ambicioso, porque está muito por fazer”, mas que é “exequível”.

“Todos os tostões que investimos no SNS, tudo o que investimos na escola pública fez este país mais forte, fez esta economia mais forte. A ideia de que podemos poupar na saúde e na educação para fazermos de conta que estamos a abater em défice é uma ideia errada, porque o que não for feito hoje na educação, o que não for feito hoje na saúde, vai voltar como uma dívida, como um défice muito maior de um País que não teve o desenvolvimento de que precisa”, alertou a dirigente.

O BE defende, entre outras medidas, o reforço do orçamento do SNS, com um plano plurianual de investimentos, uma separação entre o público e o privado e acabar com as Parcerias Público Privadas.

“A maior doença de que sofre a saúde em Portugal é a ideia de que quatro em cada dez euros do Orçamento devem servir para pagar ao grupo Melo ou à Luz Saúde”, disse Catarina Martins.

Na próxima legislatura “temos a obrigação de ter uma lei que diga que a gestão dos hospitais públicos é mesmo pública, acabar com a promiscuidade, garantir a exclusividade dos profissionais e a gratuitidade no acesso ao SNS”, acrescentou.

Na área da educação, Catarina Martins defendeu a abertura de um “enorme” processo de reflexão” para trazer a escola para o século XXI, considerando que a escola pública é “patriarcal, racista e discriminatória”.

“Precisamos de mudar muito a escola. Só quem não conhece a escola hoje em dia é que pode achar que está tudo bem. A escola está desatualizada face às necessidades de toda a comunidade. Temos de mudar o paradigma, a forma como olhamos para a escola”, sublinhou.

A coordenadora do BE alertou ainda que o descongelamento das carreiras dos professores é um problema que vai continuar “pendurado” para a próxima legislatura.

“Bem pode o PS e o PSD fazer de conta que o assunto está arrumado. Não está arrumado. A realidade vai obrigar a voltar a ele porque Portugal não pode ter um corpo docente que ainda por cima tem concursos para todo o território nacional, com umas regras nos Açores, outras na Madeira e outras no continente”, afirmou.

Na mesma sessão foi apresentada a lista do BE pelo distrito de Aveiro que volta a ser encabeçada por Moisés Ferreira.

O deputado, que chegou à Assembleia nesta legislatura, lembrou que há quatro anos “faltaram 100 votos” para os bloquistas conseguirem eleger o segundo deputado no distrito de Aveiro.

“Se o Bloco agora tiver esses 100 votos e muitos outros a somar a esses 100 terá mais força para fazer tudo aquilo que ainda temos de fazer no futuro”, disse Moisés Ferreira.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)