Rádio Observador

Serviço Nacional de Saúde

Centro Materno-Infantil do Norte realiza cirurgia inovadora para malformações vaginais

319

Objetivo desta nova intervenção cirúrgica é oferecer a "melhor resposta" e "tratar da melhor forma possível" uma síndrome que afeta a qualidade de vida e autoestima de uma em cada 4.500 jovens.

A cirurgia "inovadora" e minimamente invasiva, através da criação de uma "neovagina", permite que as jovens mulheres possam ter uma vida sexual futura

ESTELA SILVA/LUSA

O Centro Materno-Infantil do Norte (CMIN) realizou uma cirurgia “inovadora” e minimamente invasiva no tratamento de malformações uterinas e vaginais que, através da criação de uma “neovagina”, permite que as jovens mulheres possam ter uma vida sexual futura.

O objetivo desta nova intervenção cirúrgica é simples: oferecer a “melhor resposta” e “tratar da melhor forma possível” um quadro clínico que afeta a qualidade de vida e autoestima de uma em cada 4.500 jovens mulheres que sofrem de síndrome de Mayer-Rokitansky-Kuster-Hauser (MRKH).

Esta malformação congénita do aparelho reprodutor é caracterizada pela ausência da vagina ou encurtamento do canal vaginal e surge, normalmente, associada à ausência de menstruação, ausência de útero e dores pélvicas, por vezes, apenas detetadas em exames ginecológicos.

“Na maior parte dos casos, o diagnóstico é feito numa fase um pouco mais tardia da vida da mulher“, afirmou em entrevista à Lusa Hélder Ferreira, o coordenador da unidade de cirurgia minimamente invasiva do CMIN.

Segundo o cirurgião, esta nova técnica cirúrgica “inovadora”, que dura cerca de uma hora em operatório, recorre a uma abordagem minimamente invasiva, intitulada de mini laparoscópica, para a criação de uma “neovagina” que permitirá que estas jovens passem a ter vida sexual.

“Tão importante quanto o procedimento cirúrgico em si, é depois o seguimento destas doentes, por isso é que está recomendado que sejam tratadas a partir dos 18 e 19 anos, quando têm uma maturidade não só física, mas também psicossexual”, explicou.

O CMIN desenvolveu por isso uma equipa multidisciplinar para apoiar as doentes num programa de pós-operatório, onde estas são novamente submetidas a pequenas intervenções não invasivas e de orientação do início da sua vida sexual.

Matilde Rodrigues, de 18 anos e natural do Porto, foi uma das três jovens submetida a esta cirurgia inovadora e, em declarações à Lusa, admitiu estar a recuperar “muito bem” apesar da “complexidade da cirurgia”, nomeadamente no que diz respeito ao pós-operatório.

Aos 12 anos, Matilde começou a “achar estranho” não ter menstruação, e, acompanhada pelos seus pais decidiu ir a uma consulta de ginecologia. A única solução possível para “resolver o problema” era fazer uma reconstrução vaginal. Optou por esperar.

“Disseram-me que eu tinha uma má formação e que a única solução era fazer uma cirurgia para ver se conseguia fazer uma reconstrução”, explicou a jovem.

Matilde admitiu ainda que a cirurgia a fez sentir “mais segura”, mas também confiante para servir de voz das muitas jovens e mulheres que sofrem do mesmo quadro clínico.

“Nem todas as mulheres têm noção que existe este tipo de problema (…) que há pessoas que passam por isto e como é que elas se sentem, a sensação de faltar alguma coisa e que há maneira de conseguir resolver isso”, concluiu.

À Lusa, Hélder Ferreira avançou que o Centro Materno-Infantil se tem esforçado, em colaboração com outros centros de referência internacionais, a desenvolver um centro cirúrgico diferenciado no tratamento destas malformações uterinas.

“O Centro Materno-Infantil do Norte é uma instituição com formação, investigação e, a partir do momento em que organizamos um curso precisamente sobre esta abordagem, os colegas começaram a referenciar doentes para nós, e o volume vai aumentar com certeza”, avançou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

O Seguro Público de Saúde

Fernando Leal da Costa

O seguro público é uma questão de esquerda contra a direita? Não é! Será impopular? Provavelmente para uma parte da população. Os Portugueses não gostam de pagar. Quem gosta?

Serviço Nacional de Saúde

A Saúde de que precisamos

Fernando Leal da Costa
107

Hoje por hoje, precisamos é de pessoas competentes e eficientes, de estruturas amigas dos profissionais e dos utentes, de acesso em tempo útil e verdade. Não se gaste mais dinheiro em estudos inúteis.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)